Jovens adultos são os mais afetados pelo stress e solidão durante a pandemia

O agravamento do stress durante a pandemia afetou particularmente os jovens adultos, mais de um terço dos inquiridos no projeto de investigação Collaborative Outcomes study on Health and Functioning during Infection Times (COH-FIT), coordenado em Portugal por Pedro Morgado, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Escola de Medicina da Universidade do Minho, e Sofia Brissos, do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa.

Os dados preliminares revelam que, em Portugal, o agravamento do stress afetou um terço dos inquiridos e foi particularmente significativo entre os jovens adultos (36%). Estes são também o segmento mais afetado pela solidão. Esta faixa etária registou um nível desproporcionalmente elevado de agravamento deste estado comparativamente com os participantes de outras faixas etárias.
No que respeita à irritabilidade, também cerca de um terço dos inquiridos reportou um agravamento, e apenas um número reduzido (<8%) referiu melhorias nas duas semanas anteriores à participação neste estudo internacional. A grande maioria dos inquiridos relatou pequenas ou nenhumas alterações na irritabilidade (60%).

As estratégias de homens e mulheres para passar o tempo durante a pandemia

Mais de 75% dos participantes admitiu um aumento do tempo consumido nos meios de comunicação social, o que foi mais notório nos homens (81%). Em relação à ocupação dos tempos livres, metade dos inquiridos afirmou ter despendido mais tempo em contactos sociais, a realizar exercício físico e a obter informação sobre a pandemia de COVID-19.

Quando questionados sobre as estratégias utilizadas para lidar com as emoções geradas pela pandemia, a maioria dos inquiridos referiu o contato ou interação pessoal direta, o exercício físico ou os passeios, a utilização da internet, a procura de informação sobre a pandemia, a prática de hobbies significativos, e o trabalho, quer presencial, quer à distância.

Para os homens, as estratégias mais eficazes foram o contacto pessoal/interação direta, exercício ou passeios, utilização da internet e um hobby significativo; no caso das mulheres as foram o contacto pessoal/interação direta, exercício ou passeios, e utilização da internet.

A intimidade física/atividade sexual foi uma estratégia mais importantes para os homens do que para as mulheres, enquanto que para estas o contacto pessoal/interação direta, a utilização da internet, as redes sociais e o trabalho foram as estratégias mais utilizadas para combater o stress e a irritabilidade durante a pandemia.

(Sobre a Escola de Medicina da Universidade do MinhoA Escola de Medicina da Universidade do Minho (EM-UM) nasceu em 2000 como Escola de Ciências da Saúde.  A EM integra um cluster que conta com a participação do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS), do Centro Clínico Académico 2CA Braga, do Centro de Medicina Digital P5 e da Associação Ciência, Inovação e Saúde (B´ACIS).)

Veja Também

INHUMAN – O regresso da mítica banda silvense e conversa com Pedro Garcia

Os Inhuman formaram-se em dezembro de 1992, em Silves. Quase a celebrarem 30 anos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *