Farmácia Algarve, ao serviço da comunidade messinense há 93 anos!

Foi por estes mesmos dias, mas de 1927, que São Bartolomeu de Messines viu inserir na imprensa regional diversos anúncios a difundir a abertura da «Farmácia Al-Gharb», uma «instalação moderna satisfazendo aos melhores requisitos da higiene».

Não sabemos precisar o dia em que tão modelar estabelecimento abriu as portas, certo é que aconteceu entre 20 de Novembro e 15 de Dezembro de 1927, cronologias em que o periódico «Folha de Alte» anuncia o início de atividade para breve e a posterior concretização da mesma.

O director técnico da nóvel farmácia era altense, Dr. Jaime Graça Mira (1891-1965), com ligações familiares a Messines, à Quinta das Cortes, por parte da esposa. Licenciado em ciências físico-químicas (1920) e posteriormente em farmácia (1924) pela Universidade de Coimbra, vem a abandonar a carreira de professor liceal (Coimbra, Lisboa, Faro), para se fixar em Messines, como farmacêutico. Aqui leciona individualmente ou em classe as disciplinas do curso liceal, como professor do ensino secundário particular.
Fotógrafo exímio, é também no seu estabelecimento que comercializa películas fotográficas e outros produtos AGFA. Mas se estes produtos podem parecer estranhos nos nossos dias, era também ali que se adquiriam águas minerais, como Vidago, Cúria ou Pedras Salgadas.
Outros tempos de outras gerações, onde o farmacêutico preparava todos os remédios na sua farmácia oficina.
Graça Mira, autor de um conjunto de 10 postais ilustrados sobre S. B. de Messines, dados à estampa em 1930, mantêm-se como diretor técnico até Outubro de 1940, altura em que se fixa em Faro, para acompanhar os filhos no liceu, onde funda a Farmácia Graça Mira (hoje Caniné).

Em S. B. de Messines assume a direção técnica do estabelecimento, até meados da década de 1950, a Dr.ª Georgina Henriques dos Santos, sendo que em 1957 o cargo era ocupado por Maria dos Santos Gamboa dos Santos. A Dr.ª Georgina, quando se retira para Portimão, trespassa o estabelecimento ao seu funcionário Francisco Vargas Mogo.
Nascido em S. B. de Messines, em 1930, ingressou muito jovem na farmácia, logo após a conclusão da instrução primária. Posteriormente trabalhou como auxiliar de farmácia em Coruche, bem como na Sociedade Industrial Farmacêutica e dois anos em Faro, com Jaime Graça Mira, com o objetivo de aqui obter o estatuto de ajudante técnico de farmácia.

Ainda assim, e como esta carecia de um diretor técnico, faz anunciar na imprensa nacional a vaga, a qual veio a ser preenchida pela Dr.ª Maria do Rosário Silva (1933-2019), natural de Vila de Rei. Pouco tempo depois, em 1959, ocorre o matrimónio entre ambos.

Francisco Vargas Mogo (1930-2002) teve um papel profícuo, multifacetado e preponderante na terra que o viu nascer, como autarca, fundando instituições, entre outras ações, mas é curioso que também o Dr. Jaime Graça Mira ocupara o cargo de presidente da Junta de Freguesia, entre 1935 e 1940. Por sua vez, a Dr.ª Maria do Rosário empreendeu uma carreira de professora, no Externato João de Deus, na Escola em Silves e na então C+S de S. B. de Messines, até à sua aposentação.

A farmácia Algarve mantém-se na mesma família há mais de 60 anos, transitando a direção técnica para a filha, Dr.ª Margarida Vargas Mogo e depois para a neta, ou seja, a terceira geração de diretores técnicos.
Recentemente a Dr.ª Margarida empreendeu uma vasta campanha de obras no prédio secular, uma intervenção feliz que manteve a graciosidade do edifício e a sua admirável cobertura de quatro águas.

A caminho do centenário, a Farmácia Algarve continua a cumprir a sua função e, tal como há 93 anos, prima pela inovação e modernidade do espaço.

Veja Também

CDU de Silves destaca trabalho de Mário Godinho enquanto autarca, ao longo de mais de três décadas

Após o anúncio da renúncia de Mário Godinho das funções de vice-presidente da Câmara Municipal …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *