Sobre a minha querida bisavó- Lucília Aleixo, a senhora da empreita

Lucília Aleixo- a senhora da empreita

Há algum tempo atrás, uma menina de oito anos acompanhava a sua mãe em mais um dia de trabalho.
Existia o dever de vigiar a linha de comboio, de prevenir acidentes e de abrir as cancelas quando o comboio se avistava.
O trabalho prolongava-se pela noite fora, nas suas casas, pois existia ainda a função de criar alcofas de empreita resistentes, que permitissem o transporte de pedras pelos homens, trabalhadores que construíam a linha férrea.

Um dia, a menina de 8 anos ao ver a sua mãe atarefada com as cestas, disse: “Oh mãe, deixa-me ajudar, ensina-me a fazer alcofas que eu consigo”. A mãe e as restantes companheiras de trabalho riram e disseram que a menina ainda era muito nova e não tinha habilidade para tal, até porque estas cestas tinham de ser mais fortes e mais robustas do que as normais, com asas reforçadas, de modo a aguentar o peso tremendo das pedras.

E assim surgiu o gosto da menina de oito anos pela empreita, que revelou um enorme talento, surpreendendo toda a gente ao seu redor.
A menina ajudava em todo o processo: na apanha da palma, no demolhar, no colocar ao sol, de modo a estar pronta para ser devidamente trabalhada. Assim, a menina sentia-se bem pois estava a ajudar a sua mãe e iria facilitar o trabalho árduo dos homens.
Esta menina, de idade muito jovem, também já tinha outras aptidões, tais como cozinhar e ajudar nas tarefas domésticas, e também semear e tratar os alimentos na horta do quintal da sua casa, para mais tarde serem consumidos por toda a família.
Anos mais tarde, a menina que se tornou Mulher, substituiu e deu continuidade ao trabalho da mãe, não só no caminho de ferro, como também na elaboração das alcofas de empreita, que depois começou a vender nas feiras e nos mercados locais, de modo a ganhar mais uns trocos, dando a conhecer as suas obras ao povo. Para além da empreita, esta Mulher revelava também o dom da renda, fazendo de tudo um pouco: toalhas, colchas, panos, roupas, entre outros.

Alcofas

Hoje em dia, esta Grande Mulher tem 96 anos e continua a fazer empreita de vários tamanhos e feitios, com a maior das alegrias. Para além disto, faz cestas de linho em vários formatos e várias cores que conjugam entre si. Esta Senhora é, sem dúvida, uma força da natureza! Tudo o que faz é com dedicação e empenho, desde sempre e em qualquer circunstância.
No seu mundo, não existe tempo para estar parada, tem sempre de estar ocupada a produzir algo, a fazer render o seu tempo….

Por vezes, enquanto a palma ainda não está totalmente pronta para ser trabalhada, fica ansiosa e aborrecida, pois o facto de não ter nada para fazer, entristece-a. Procura sempre formas de se entreter, nem que seja a descascar amêndoas uma tarde inteira. Esta Senhora tem vontade de viver. Não se limita a ver a vida passar, faz pela vida, aproveita cada momento.

Bases

Esta Senhora lê livros, com uns óculos que não são seus, mas diz que vê muito melhor com esses. Esta Senhora vê o telejornal e fala sobre a atualidade. Esta Senhora escreve textos sobre a sua vida. Esta Senhora, quando foi hospitalizada há uns anos, fez alcofas no hospital para os médicos e enfermeiras que a assistiram. Esta Senhora não é nada esquisita, gosta de comer de tudo um pouco, até já experimentou sushi e gostou. Esta Senhora faz conjuntos de alcofas para toda a família, para que tenhamos um bocadinho dela em várias partes do nosso lar e para que a sua matéria-prima não seja esquecida. Esta Senhora gosta de passear, apesar de não querer incomodar os outros. Esta Senhora tem telemóvel e fala com os familiares e amigos e diz sempre que está tudo bem. Esta Senhora só não apanha alfarrobas porque a família tem receio, mas, de vez em quando, lá apanha umas quantas sem que ninguém se aperceba. Esta Senhora reza pela família. Esta Senhora é incrível!

E, muito importante, esta Senhora é feliz. A sua alma é pura e bondosa e ocupa um lugar muito especial no coração de todos nós.
Esta Senhora é a minha bisavó e é uma grande inspiração para mim, todos os dias.

(A artesã Lucília Aleixo pode ser contactada, para venda dos seus trabalhos, através dos números: 962310980 ou 967677983.)

Texto e Fotos: Carolina Coelho

Veja Também

No Dia Europeu do Antibiótico surge o alerta: resistência ao antibiótico mata

Hoje, dia 18 de novembro assinala-se o Dia Europeu do Antibiótico e surgem vários alertas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *