Home / Opinião / Corredores aéreos

Corredores aéreos

Ao fim de alguns meses começa-se a dissipar o nevoeiro e começámo-nos a aperceber do real impacto da pandemia.
Os mais recentes números do INE demonstram o grau de gravidade com que o sector do turismo, esse sector fulcral do país e da região do Algarve, desmoronou com o Covid-19. Durante o mês de Abril de 2020, o número de dormidas no país decaiu uns impressionantes 97,1% face aos do período homólogo. As dormidas de não-residentes diminuíram 98,3%, enquanto as dormidas de residentes terão diminuído 92,7%. Trata-se de números que já suspeitávamos, mas obter a confirmação oficial em nada reduz o impacto.
Estes números dizem respeito ao país como um todo, mas o impacto no Algarve deverá seguir a mesma toada, se não mesmo pior. Dada a nossa grosseira dependência do turismo, podemos esperar um verão, se não catastrófico, pelo menos muito abaixo das expectativas.

A pandemia afeta com maior violência as economias com maior pendor de especialização turística. O fecho das fronteiras, das linhas aéreas e a reticência das pessoas em viajarem de férias para os seus destinos habituais coloca em risco toda a economia nacional.

Mais do que tudo, falta confiança na salubridade do turismo; as pessoas pretendem recuperar alguma confiança de que o Covid-19 não os acompanha no trajeto de volta a casa.

Embora tenham existido algumas medidas de afirmação da higienização dos hotéis e alojamento local, a disrupção do tráfego aéreo remete qualquer esperança de trazer turismo para as nossas costas, para o proverbial fundo do saco. Com o turismo e o comércio global em mínimos históricos, compete aos governos fazerem algo de forma a melhorar a situação. Abrir as fronteiras de forma livre é inconcebível; dada a facilidade de transmissão, arriscávamo-nos a criar novos surtos por todo o país.

Uma das medidas em estudo é a criação de “corredores aéreos” com países específicos. A ideia passa por assegurar a mobilidade turística através de acordos bilaterais entre países. Estes acordos permitiriam a chegada de turistas sem a necessidade da quarentena recentemente exigida. Aparentemente, Portugal já iniciou negociações com o Reino Unido e com a Alemanha para criarem estes “corredores”, num esforço de assegurar algum fluxo turístico. A lógica passa pela criação de um esquema que permita a troca de pessoas e bens, de forma relativamente controlada, devolvendo um semblante de normalidade. Tais acordos não serão fáceis de implementar; é necessário que os países intervenientes harmonizem a forma de tratar e lidar com a pandemia. A disponibilidade de cruzamento de informação é fundamental para a manutenção da confiança; deverá haver um entendimento comum entre as metodologias de identificação, tratamento e isolamento dos pacientes infetados. Neste processo, o teste da Covid-19 acaba por ser basilar: o teste à saída do país-origem, consequente comunicação desse teste ao país-destino, um período de quarentena de dois dias e novo teste à volta poderá ser o suficiente para criar alguma confiança no sistema. As viagens curtas devem ser desencorajadas, de forma a permitir períodos de quarentena, bem como evitar “surtos-relâmpago” impossíveis de travar e identificar.

Dito isto, há algo a salientar; tais corredores acarretam riscos consideráveis à população residente. Embora tenhamos sido dos menos afetados pelo Covid-19, nada indica que não poderemos ver um recrudescer da doença na região do Algarve. E dado que o turismo requer, neste momento, doses cavalares de confiança, podemos acabar por ter o pior de dois mundos: sem saúde e sem economia.

Partilhe nas redes socias:
Share on Facebook
Facebook
0Pin on Pinterest
Pinterest
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Veja Também

E a Cultura

Como o tempo passa! Em 2009, em janeiro de 2009 (dois mil e nove), no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *