Procura por moradias cresce 47% face ao período anterior à pandemia

A procura por moradias para venda cresceu 47% face ao período anterior ao estado de emergência, segundo um estudo do Imovirtual, Portal de imobiliário.

O referido estudo baseia-se em dados disponíveis nesta plataforma, analisa o comportamento dos seus utilizadores e compara a semana de 1 a 7 de maio com a semana de 6 a 12 de março ( a anterior ao primeiro estado de emergência).

Entre outras conclusões, o estudo afirma que o  número de imóveis guardados como favoritos também aumentou em 21% e o número de contactos aos anúncios publicados aumentou 7%.
A plataforma contabilizou ainda um crescimento de 13% no que concerne ao número de novos utilizadores. Por sua vez, o tempo médio de permanência no site por cada visita aumentou 29%. É de destacar igualmente o crescimento de 6% nos acessos à plataforma através de dispositivos mobile.

As conclusões apresentadas têm em consideração indicadores como nº de pageviews por categoria (procura) em termos globais, contactos feitos aos anúncios publicados, imóveis guardados como favoritos, novos utilizadores, tempo médio de permanência no site por visita ou tipo de equipamentos utilizados.

“Numa fase em que o país procura recuperar a normalidade possível após a quarentena imposta pela Covid-19, quisemos averiguar se também na nossa plataforma os números já refletiam uma certa normalidade e tivemos uma agradável surpresa. Identificámos, naturalmente, algumas alterações nos padrões de comportamento, sobretudo em termos de procura, porém, e falando em termos globais, apercebemo-nos que os portugueses não só estão novamente muito atentos ao mercado imobiliário como ainda parecem mais interessados em fazer bons negócios. Isto só a julgar pelos registos claramente superiores que detetámos nos vários indicadores de análise na comparação de um período atual com um período ainda anterior ao primeiro estado de emergência”, afirma Bruno Coelho, Marketing Manager do Imovirtual.

Veja Também

ACRAL diz que Governo não pode ignorar a recessão económica que se vive no Algarve

A Associação do Comércio e Serviços da Região do Algarve (ACRAL) divulgou os dados de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *