25 de ABRIL- Um problema

O 25 de Abril foi um problema. Continua a ser. O rapaz da foto tem razão. Não tem coragem é de olhar de frente. Parece tímido. Está ali apenas a centrar-se à volta de 1974, mais coisa menos coiso.
O rapaz contou-me, em cochicho. Espero que não se zangue por lhe revelar algumas confidências.

O problema maior do 25 de Abril é apenas um. Devia ter acontecido muito antes.

Um tio, irmão da mãe, que tinha o nome com que o rapaz seria baptizado, José Alberto de Oliveira, penou horrores, encarcerado vários anos, às mãos de uma sinistra organização terrorista, digo bem, terrorista, chamada Polícia Internacional de Defesa do Estado.

O rapaz que está a olhar de lado, não consegue precisar se as intermináveis sessões de tortura, a que o tio foi sujeito, o foram ainda durante o tempo em que a P.I.D.E. mantinha o nome fundador de 1933, o ainda mais sinistro Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (P.V.D.E.), criada por aquele senhor, de esquecidas e sanguinolentas virtudes, chamado António de Oliveira Salazar.

Uma segunda variante do problema é que, se o 25 de Abril tivesse acontecido muito antes, o rapaz não teria tido a vida entre parênteses durante 36 meses (ou três anos, entre 1970 e 1973).

Problema menor, comparado com os mais de 8.000 jovens mortos e as centenas de milhares de feridos e traumatizados de uma barbárie, nos dois lados, chamada carinhosamente “guerra do ultramar”.

É que há um mirrado detalhe do problema. Aquela melopeia de propaganda «Angola é nossa», sempre escondeu uma verdade feia à luz do dia.
No século XV, os portugueses quando chegaram às ignotas Guiné, Angola, Moçambique… já lá existia gente. Sim, gente humana, como nós, com coração, cabeça, braços e uma perna.

Coração para sofrer em silêncio. Cabeça para não pensar. Braços para trabalhar. E uma perna para lhe ser atarraxada uma pesada grilheta para não fugir. A outra perna dava jeito para assentar o pé descalço sobre a terra quente.

Mirrado detalhe de um pequeno problema e grande vantagem para os hediondos lucros de muitos, durante séculos.
Um gigantesco tráfico de escravos foi organizado entre África e América. Milhões de pessoas, sim pessoas como nós, foram embarcadas em naus, deitadas e aferroadas umas às outras para ocuparem menos espaço, e levadas para as Américas para trabalhar sob o chicote.

Ma não há grilheta que sempre dure. E chegou a hora. Tardia, é certo. O coração começou a bater mais, a cabeça a pensar pela própria, os braços a pegar em armas e as grilhetas a estoirar para sempre.

O problema maior, o 25 de Abril, ajudou e muito.

A guerra, que durara treze anos, acabou. E a independência dos países do “carinhoso” Ultramar nasceu. E a nossa juventude, ficou de cabeça perdida, sem ter de colocar a vida entre parênteses, durante três anos, pelo menos. Haja festa.

Então nós, que também temos coração, cabeça, braços e duas pernas, não gostámos tanto de ter sacudido os espanhóis? Estes só aqui estiveram 60 anos. Nós, em África, um pouquinho mais, 400 anos.

Depois é o que se sabe e viveu. O fim do fascismo. Sim, era fascismo mesmo, criado intencionalmente, à semelhança dos regimes de Benito Mussolini e de Adolf Hitler.

E vieram os resquícios conhecidos do problema. O fim da organização terrorista do Estado. A libertação dos presos políticos. E muitas outras coisinhas, insignificantes – nunca será fastidioso ir falando sempre delas – que levaram muitos populares a enfiarem cravos vermelhos nos canos das G3 dos militares sorridentes, e nossos irmãos, naqueles dias que se seguiram e no 1º de Maio.

E liberdade, liberdade, liberdade. E democracia. Há melhor?
Se houver, os que não gostam dela que vão para lá, onde alguma ditadura torcionária os possa consolar.

E deixem-nos aqui a cuidar da nossa, todos os dias. É que esta moça linda, ainda não tem rugas. É imberbe. Só tem ainda quarenta e seis anos. Precisa de cuidados de saúde permanentes e da ajuda solidária dos nossos companheiros da União Europeia. Seríamos mais pobres e tristes se nela não andássemos soltos.

Temos de ajudar a prevenir as doenças infecto-contagiosas que estão a grassar nas velhas democracias, como a britânica ou a americana. Ou as novíssimas com a brasileira, a húngara, a polaca… potenciadas pelas redes (ou grilhetas?) sociais.

Os cuidados de saúde são simples e complexos. Há que atentar neles. Estado social robusto para diminuir as desigualdades e promover a trepidação necessária ao nosso imperativo crescimento demográfico.

Serviço Nacional de Saúde sólido, para não ficar refém de interesses privados, e cuidar de nós, como está a saber fazê-lo nesta tenebrosa crise sanitária mundial.

Educação elevada para pensarmos pela nossas cabeças e ajudarmos os nossos filhos e netos a fazê-lo, realizando os seus sonhos.

Olhar atento, desaprovador e penalizador, de uma corrupção endémica que está sempre à tentar minar a democracia e os partidos políticos, imprescindíveis nela.

Sabemos como os Machados que cortam a raiz ao pensamento, com palavras muito simples, seduzem os desprevenidos. E como sabem dizer “chega”, para se chegarem a um regime totalitário, como o vivemos durante 48 anos e que muitos, felizmente, não conheceram. E outros, infelizmente, dele se fazem esquecidos ou o querem branquear.

O rapaz, que está a olhar de esguelha, dizia há pouco a um seu velho, e sempre novíssimo amigo, Sérgio António:

– 25 de Abril. Sempre. Até que os esquecidos, ingratos, ignaros, néscios, ressabiados, repensem o quanto devemos àquela madrugada libertadora, até agora. E, de hoje em diante, até ao fim dos séculos.

PS. A realização da sessão evocativa do 25 de Abril no Parlamento, sei que dividiu os democratas. Mas é um perdigoto ínfimo no longo espirro da história.
Se a casa da democracia tem reunido, respeitando as recomendações das autoridades da saúde, por que haveria de não a celebrar este ano?

É normal os democratas divergirem, sem nunca o deixarem de o ser.
O problema é a extrema-direita, que já conspurca alguns poucos assentos no parlamento e, que ali chegou em eleições livres, está sempre à espreita para a destruir.

O boneco do Zé Povinho, criado por um grande amigo dos algarvios, Manuel Teixeira Gomes e João de Deus, Rafael Bordalo Pinheiro, era um boneco muito popular nas tabernas – “Se queres fiado, toma!”. Basta recuperá-lo. E substituir o «fiado» por «ditadura». Sem medo. Com o cotovelo dobrado, como devemos ter, ao mais suave respingo. Aaa… tchim…!

José Alberto de Oliveira Quaresma
25 de Abril de 2020

Veja Também

Postal de Natal

Atualmente, para enviar um postal de Natal, posso utilizar vários meios de comunicação, desde logo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *