Home / Sociedade / Política / Assembleia Municipal reúne em Silves

Assembleia Municipal reúne em Silves

A Assembleia Municipal de Silves reunirá em sessão extraordinária no dia 16 de dezembro, pelas 21h, na sua sede, na Rua Manuel Arriaga, em Silves.

A sessão inicia-se com o período de audiência ao público, seguindo depois para a discussão dos pontos que constam da Ordem de Trabalhos que pode ser consultada aqui: Ordem de Trabalhos_16.12.2019 .

Entre os assuntos, destaca-se a votação da suspensão parcial do PDM, com o objetivo de permitir a expansão  do empreendimento turístico Zoomarine para a União de Freguesias de Alcantarilha e Pêra.

Partilhe nas redes socias:
Share on Facebook
Facebook
0Pin on Pinterest
Pinterest
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Veja Também

Plano de Emergência Social para o Algarve, apresentado pelo BE, foi aprovado na AR

Na passada sexta-feira, dia 19 de junho, a Assembleia da República aprovou o Plano de …

Um Comentário

  1. Em 17 de Novembro p.p., através do email gabinete.presidente@cm-silves.pt, dirigi à senhora Presidente da Câmara Municipal de Silves, Drª. Rosa Palma, a exposição, que, abaixo, transcrevo, sem que, até ao momento, nada tenha acontecido, desconhecendo se chegou ao seu conhecimento, pelo que venho, por este meio, torná-la pública, na expectativa de que a mesma mereça da senhora presidente a atenção que solicito.

    “ Assunto : CASA OBJECTO DE REABILITAÇÃO NO CASCO ANTIGO DE SÃO BARTOLOMEU DE MESSINES
    Senhora Presidente Rosa Palma,

    Sou natural do concelho que dirige e nascido na Rua de São Sebastião, há 76 anos, no núcleo histórico ancestral de São Bartolomeu de Messines.
    Não obstante viver longe da minha terra, não deixo de estar atento ao que nela se vai passando, designadamente, no que diz respeito à zona antiga, onde nasci, que foi o palco da minha infância e pela qual nutro, compreensivelmente, uma carinho muito especial.

    Desloquei-me a S. B. Messines, no passado dia 15 de Novembro, e, em conversa mantida com um actual residente da minha antiga rua, tomei conhecimento de que parece estar prevista a recuperação de uma casa situada no topo Norte da mesma Rua de São Sebastião, a fechá-la, pelo lado de cima.
    Trata-se de uma velha casa, cujo último morador, o Elói, falecido há bastantes anos, conheci bem e de quem fui amigo, em criança, que, por deixar de ser habitada, atingiu um estado de acentuada degradação.
    A sua vetustez é, garantidamente, de muitos séculos, senão, mesmo, das origens do núcleo inicial da vila, dada a sua localização, no início da encosta do cerro.

    A ser verdade o que me foi dito, parece haver a intenção de, no âmbito da recuperação, construir uma garagem sob a casa.
    Acontece que a casa foi construída sobre uma estrutura virgem de arenito (grés-de-Silves), de quase dois metros de altura, intocada desde que a Natureza a formou, há mais de duzentos milhões de anos, o que implicaria que, para a construção da garagem, a mesma estrutura natural fosse destruída, o que, não só envolveria a desfiguração de todo este conjunto ancestral, como configuraria, de um modo irremediável, um manifesto crime de lesa-património cultural, que urge prevenir e impedir.

    É legítima a reabilitação da casa (cuja foto envio em 3 anexos), mantendo a traça exterior original.
    Porém, a construção de uma garagem na casa em questão, pelo abastardamento que causaria, não deve poder, de todo, ser autorizada, uma vez que destruiria, irremediavelmente, a tipicidade de uma parte da zona velha da vila, que merece o devido respeito e ponderação, pelos serviços camarários envolvidos na análise e deferimento, se não quisermos que a rasoira de um progresso algo duvidoso, acabe por nivelar a arquitectura do casco antigo e inicial da vila com toda a sua parte restante, de construção actual.

    Venho, pois, por este meio, apelar à senhora Presidente os seus bons ofícios, para que, junto do corpo de arquitectos da Câmara, seja impedido aquilo a que – baseado na informação que me foi dada – não teria qualquer rebuço em apelidar de barbaridade.

    A senhora Presidente compreenderá melhor – a par das questões culturais envolvidas -, aquilo de que lhe venho falar, se pensar em algo que faça parte do imaginário da sua própria infância, que veja em risco de vir a ser destruído ou desfigurado.

    Nem tudo pode valer.
    A vida sem respeito pela memória torna o homem um ser sem alma.
    Peço desculpa por algumas palavras algo duras que utilizei, mas que correspondem ao que sinto.

    Com os melhores cumprimentos, sou

    José Domingos “

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *