Home / Sociedade / Entrevista / Entrevista a Alexandra Santos- “O que levas para a tua mesa é um conjunto de opções”

Entrevista a Alexandra Santos- “O que levas para a tua mesa é um conjunto de opções”

O Mercado Fora d’ Horas, em Silves, o Mercado da Terra, em Messines e o Festival da Comida Esquecida são apenas alguns dos locais/eventos onde encontramos o traço da designer Alexandra Santos.
Nos últimos anos, o seu trabalho tem-se debruçado sobre algumas áreas fundamentais, como os alimentos e a sua relação com a tradição, o meio ambiente e a sustentabilidade.
Diz que não é necessário que nos tornemos todos vegetarianos, que não faz mal comer batatas de pacote mas que devemos refletir sobre os nossos hábitos de consumo. O que se põe na mesa é uma escolha.

Alexandra dos Santos Designer – messinense a residir em Silves em vários anos. Qual é a sua formação?
Tenho uma licenciatura em Design, pela Escola Superior de Educação em Faro, uma pós graduação em Design da Cultura e Turismo e um mestrado quase terminado. Voltei à universidade, foi importante voltar, aos 36 anos, custou imenso… mas faz bem quebrar as rotinas. Todos nós queremos experimentar outra vida, de certa forma, e temos de ser positivos.

E como é que o design entrou na sua vida?

Alexandra Santos

Foi por engano!… Fui para Portimão estudar, no 10º ano, e inscrevi-me no Curso de Artes, mas enganaram-se na matrícula e colocaram-me no Curso de Design, só que eu não larguei… Depois comecei a ver além da educação artística, deve haver um sentido utilitário atrás das coisas, o design é um bocado isso, ter um propósito muito definido para fazer algo. Fui ficando, e fui-me interessando cada vez mais sobre o que é o design, e o que se pode fazer com ele, que são conceitos que têm vindo a mudar bastante.

Nesta altura, só no concelho de Silves, o nome da Alexandra aparece relacionado com uma série de iniciativas: o Mercado Fora d’ Horas, o Mercado da Terra, o Mercado 100% Local, o Festival da Comida Esquecida, o Percurso do Latoeiro… como se envolveu em tudo isto?
Tudo começou no mestrado, quando tive de fazer um projeto. Mas eu queria fazer um projeto que não fosse académico, de gaveta. Tive a ideia do Mercado Fora d’ Horas que foi muito bem acolhida pela Junta de Freguesia de Silves e pelo presidente Tito Coelho e realmente correu muito bem. A partir daí houve pessoas que começaram a ver esse trabalho e começaram a contactar-me para fazer trabalhos mais ligados à produção local, ao consumo de proximidade, às relações entre o território e a comida.

Nesta semana que falamos vai realizar-se o Mercado 100% Local, no Mercado Municipal de São Bartolomeu de Messines.
O Mercado 100% Local é um projeto da Associação In Loco que é financiado pela AMI, Instituto Camões e o Governo Português através do programa da União Europeia, “No Planet B”, que decorre em vários localidades do Algarve. Eu faço a parte gráfica deste projeto que tem outra componente muito importante que é de pretender credenciar produtores, um trabalho que está a ser feito pela In Loco. Também em Messines, a convite do presidente da Junta de Freguesia, João Carlos Correia, e agora com a presidente Carla Benedito, temos tentado fazer um mercado melhorado em Messines, num projeto mais interventivo.
O Mercado da Terra que esteve a decorrer neste verão?
Sim, é uma iniciativa do Slow Food Internacional. Procura aproximar os produtores dos consumidores, sendo os próprios produtores a venderem os seus produtos.
Este Mercado da Terra foi a primeira experiência em Portugal. Já terminou esse projeto, que balanço faz, é para repetir no próximo ano?
O balanço não é tão positivo quanto eu queria… É um bocado difícil trabalhar nos mercados, há várias tipologias de pessoas. Há muitas pessoas que vendem em mercados que não são produtores, que se dedicam exclusivamente ao retalho. Há outros, a maioria, que fazem um misto, vendem produção própria e outros produtos que vão buscar a mercados abastecedores ou a vizinhos e colegas, para conseguirem manter um fornecimento constante, regular, porque senão não conseguiam ter um negócio aberto, com uma banca, todos os dias, a produção própria não é suficiente. E depois há aqueles que apenas produzem e que não aparecem nos mercados porque estão focados na produção. Outros escolhem ir apenas a alguns mercados que são benéficos para eles, e muitos nem chegam aos mercados porque já têm a produção destinada a outros canais. No caso de Messines o que se passa é que, neste momento, não está a ser viável mexer com as dinâmicas interiores, teremos de esperar para que seja feita a recuperação do Mercado Municipal, como está prevista… O Mercado da Terra é para continuar, mas estamos a falar de um mercado que estava muito abandonado, portanto há necessidade de muito trabalho de insistência.

Muitos destes mercados mais tradicionais, como os do nosso concelho, estagnaram numa determinada altura, muitas pessoas deixaram de os frequentar. Os mais jovens, principalmente, não têm qualquer hábito de fazer compras nos mercados, como é que isso se reverte? É possível reverter? E faz sentido?
Enquanto consumidor tens que te sentir livre. Eu também faço compras no supermercado, mas não faço todas. E é isso que eu gostava de transmitir às pessoas, bastava só cada um de nós mudar um bocadinho os hábitos de consumo e fazia uma grande diferença.

Não precisas de ir exclusivamente ao mercado, basta ir com mais frequência.

Eu tenho estado em contacto com muitas pessoas que há anos que não vão a um mercado e depois compram produtos a preços exorbitantes só porque lhes é mais cómodo. É a grande diferença entre os mercados e os supermercados, é a comodidade. Não é tanto o preço. É sobre esse trabalho que me tenho debruçado, como desviar o público-alvo. Temos que analisar o público-alvo mas também o público interno, quem está a vender.

Por exemplo, aqui em Silves, os vendedores têm uma média de idades de 60 a 80 anos, isto é grave.

O que tenho notado, é um problema transversal a todos os mercados, é que há necessidade de um grande trabalho de equipa entre as pessoas que lá trabalham. É necessário um maior foco sobre as pessoas que estão a vender. Mas isso é um trabalho que demora anos a fazer, não se resolve com estes projetos pontuais. Estas ações são boas porque divulgam os mercados que são pouco conhecidos. Por exemplo, o Mercado de Silves tem ganho uma visibilidade desde que começou o Mercado Fora d’ Horas que até à altura não tinha. E comprovei isso quando, no ano passado, a revista Monocle, uma revista de tendências internacional, publicou um artigo com os pontos interessantes da gastronomia do Algarve e o Mercado de Silves estava lá. Foi positivo, mas este é um trabalho que exige continuidade.
Um dos problemas que se aponta aos mercados é aquele que estava a falar há pouco, que há muitos vendedores que não têm produção, que se abastecem nos mesmos locais que os supermercados, acabas por comprar os mesmos produtos.
Esse é outro trabalho que deveria a estar a ser feito por quem está a comercializar nos mercados. Como se tornam diferenciadores o suficiente? Mas é como digo, estes projetos não têm capacitação suficiente para fazer esse trabalho de continuidade, são precisos técnicos, equipas, essas pessoas teriam de ser remuneradas ou equipadas para tal.
A Câmara de Silves tem estado a trabalhar em projetos de recuperação dos mercados de Silves e de Messines, já alguém falou consigo para dar alguma ideia, tendo em conta o seu conhecimento destes mercados e a sua experiência?
Ainda não…

Além deste trabalho nos mercados, está agora num novo projeto, o Festival da Comida Esquecida.
É o meu “ novo menino”. Está a ser desenvolvido pela QRER- Cooperativa para o Desenvolvimento dos Territórios de Baixa Densidade, da qual faço parte. Somos um grupo de pessoas a trabalhar no interior do Algarve nas questões relacionadas com a sustentabilidade e o equilíbrio do território. O foco do nosso trabalho é o desenvolver projetos interessantes para o desenvolvimento do interior, que tragam mais-valia para este território. Somos uma equipa mista, com pessoas de várias idades, algumas bastante jovens e de áreas diferentes, design, marketing, história, cultura, turismo. Este Festival da Comida Esquecida é um projeto que foi proposto ao 365 Algarve e quando reparamos teve quase a pontuação máxima, 18 em 20. Não estávamos à espera, foram apresentados 33 projetos mas quando começou a sair a informação na comunicação social vimos que a atenção estava toda virada para o nosso projeto.
E o que é o Festival da Comida Esquecida que vai ter a sua primeira experiência na Azilheira, em São Marcos da Serra?
É um festival gastronómico para ser realizado em todo o interior do Algarve, são 13 ações em 9 concelhos. A base é um piquenique de charme, em que a comida é feita por um chef. São piqueniques temáticos, este da Azilheira vai rondar por volta dos anos 40. E vamos criar um ambiente de época, sem estarmos mascarados, mas com ambiente. Vamos tentar realizar tudo o que nos propusemos, porque, além do apoio do 365 Algarve, temos de arranjar parceiros para os outros custos e estamos a falar de quantias muito elevadas. Estamos confiantes que vai correr bem, mas o arranque é sempre difícil.
Para fazer este festival, tiveram de ir à procura da “comida esquecida”. O que encontraram até agora?
Estamos a começar a fazer essa recolha de sítio em sítio, mas não é muito fácil. Algumas coisas são mais interessantes que outras, mas também há comidas de que as pessoas falam, mas não se consegue concretizar.

Por exemplo, na zona de São Marcos da Serra, na Azilheira, Azinhal, estrada de Boião, falaram-nos muito de um pudim, que chama “Fezes”, que era feito com leite de cabra, mas ninguém me sabe dar a receita.

Como é que a comida “desaparece”?
O desaparecimento de produtos tem muito que se lhe diga. Por exemplo, o grão. Era muito plantado. Por todo o barrocal, toda a gente tinha uma plantação de grão, lentilhas e xíxaros. Xíxaros (ou chícharos, uma espécie de leguminosa que se assemelha aos tremoços), há quem lhes chame “ervilha quadrada”, é quase um inferno para encontrar à venda e o grão, apesar de ser uma das leguminosas mais consumidas, é quase todo importado. Há apenas alguma produção no Alentejo e muito pouca, por particulares, para consumo próprio, no Algarve.

Um outro produto que também encontramos esquecido são os catacuzes, também conhecidos como labaças,

um produto que gostávamos de ter no piquenique da Azilheira, mas não podemos garantir, porque as folhas só aparecem se chover. Era muito consumido nos cozidos de grão e é um produto, uma erva, que se apanhava no campo. Mas este processo de recolha de coisas simples, que crescem ao nosso lado, também já desapareceu. Os árabes têm uma receita, que aconselhavam por ser boa para o estômago, em que juntavam o grão, que é uma coisa pesada, com os catacuzes, para facilitar a digestão. É interessante este conhecimento antigo que ajuda a lidar com estes alimentos, um pesado e outro que ajuda a digestão, é o mesmo conceito do prato de favas com saladas verdes.
Há vários níveis de comida esquecida, e por várias razões. Em primeiro lugar porque esse produto deixa de ser cultivado. Também tem muito a ver com as práticas das pessoas e as práticas de cultivo. Em São Marcos da Serra percebemos que há ali um ecossistema preservado, com pouca contaminação do ambiente, tanto a fauna como a flora têm um bom estado de conservação relativamente a outros lugares. E as pessoas sabem quando devem plantar as favas, as ervilhas, sabem que agora é a época das couves. Não é um legume interessante mas também nos deve levar a pensar porque está a diminuir drasticamente o consumo de couves.
Não está na moda?
Há uma coisa muito gira com a comida que é globalização. O mundo como nós o conhecemos e o que comemos tem muito a ver com os portugueses e os Descobrimentos, andamos a espalhar comida pelo mundo. Mas se refletirmos sobre o fenómeno da globalização

vemos que toda a gente sabe o que é um hambúrguer e uma pizza mas chegamos ao ponto em que muita gente não sabe o que é uma filhó.

Há vários fatores que levam a isso, o que considero mais drástico tem a ver com a forma como vivemos o tempo. O tempo que as nossas famílias antigamente tinham para dedicar à própria família e à cozinha e à confeção da comida. O tempo que tinham para ir adquirir os alimentos à praça, à venda, falo do tempo para cultivar uma horta, são coisas que nos ritmos atuais é muito complexo. Tornou-se quase impossível.
Fazes excecionalmente uma refeição mais demorada, vais raramente ao mercado.
Não há um culpado nestas coisas. Vai acontecendo com o tempo. É o tipo de sociedade em que vivemos.
É nesse contexto que nos seus projetos, fala muito na nossa responsabilidade enquanto consumidores?
É importante fazer a diferença. E a diferença não precisa de ser radical, não precisamos de nos tornar vegetarianos, nem vegans, precisamos só de refletir sobre o que queremos que o nosso mundo seja e sobre a necessidade de falar da comida. Falo de pensarmos na comida, na mesa, como um ato político. Às vezes não gosto de dizer isto, porque a palavra política tem um sentido muito pesado, mas faz sentido neste caso.

É política no sentido de escolha, de opção: o que tu levas para a tua mesa é um conjunto de opções.

Eu posso ter batatas fritas de pacote de vez em quando, porque gosto, posso também comer pizza e comida chinesa, porque também gosto. Mas também ter outra responsabilidade e mudar um bocadinho. Passa por comprar o máximo possível na proximidade e produtos sazonais. Não faz sentido estarmos a comer morangos agora, quando não é o seu tempo.

Estarmos a comer morangos agora é estarmos a promover uma catástrofe ecológica em Almeria, por exemplo.

É por isso que promove mercados que vendam “alimentos bons para o paladar, limpos para o ambiente e justos para a sociedade”?
Sim, essa é a filosofia do Slow Food, dos Mercados da Terra. Um processo que seja bom para todos os intervenientes.

Falávamos das antigas práticas de cultivo e quanto a jovens produtores, existem no concelho?
No Algarve existem alguns, mas estão cada vez mais voltados para o mercado bio. O concelho de Silves tem poucos, apesar do concelho ter uma grande produção agrícola, mas tem sobretudo pomares de laranja, agora também de abacate.
A nova cultura que está a ser bastante polémica.
O problema desse tipo de culturas tem a ver com a alteração de sistemas. Aquele sistema a que chamamos pomar de sequeiro tradicional foi implementado há muito tempo, está adaptado ao território e às suas especificidades, como a falta de água. As pessoas ouvem as notícias sobre a falta de água e muitas pensam que é um problema recente, mas não é. No sistema tradicional as plantações eram feitas a pensar no que cada lugar podia fornecer. Também havia mais terreno cultivado, qualquer bocadinho na serra era cultivado e tinha um dono atribuído. Hoje temos plantações desequilibradas em relação ao território, que exigem um grande consumo de água, como é o caso da laranja e do abacate. A nossa laranja é excelente mas tem um enorme consumo de água. É claro que eu não sou agricultora nem técnica, não posso falar com propriedade destes assuntos… O que digo tem a ver com conhecimentos que vou adquirindo no meu trabalho.

Nos últimos anos o seu trabalho, enquanto designer virou-se muito para estas áreas, comida, tradição, território…
Este trabalho é muito interessante, estimulante. Estou a fazer coordenação de projetos e a formação de designer ajuda muito. Ao fim e ao cabo, um designer é um projetista, as fases da pesquisa, do planeamento, dos protótipos, da execução, são metodologias que usamos muito no trabalho.
O design pode fazer a diferença no mundo?
Sim pode, e há casos em que o design tem feito essa diferença, tanto para o bem para o mal. Há tempos li sobre quando o Al Gore, que é um grande ambientalista, perdeu as eleições para presidente dos Estados Unidos… ele perdeu num Estado onde houve um boletim eleitoral mal desenhado. É um exemplo. É como uma sinalética, se estiver mal feita… não vai ter o resultado pretendido.

O design tornou-se cada vez mais importante, até porque vivemos na era da imagem.
A imagem conta. E nós vemos isso, por exemplo, na imagem de um evento. Nota-se quando um evento tem um suporte, pela imagem avalia-se logo a capacitação das entidades, a sua credibilidade. Mas também digo que ter um bom design e não ter conteúdo também não serve de nada, tem tudo de corresponder. Não sou apologista de fazer coisas com conteúdo oco.

Queria ainda falar de outras vertentes do seu trabalho. Além deste concelho tem trabalhado com os municípios de Tavira, Loulé, Mértola, em trabalhos relacionados com os mercados mas também com o Projeto TASA e neste, com um trabalho também em São Bartolomeu de Messines.
Sou uma das colaboradoras do Projeto TASA e elaborei o projeto gráfico do trabalho do latoeiro, que resultou na implementação de um percurso, o Percurso do Latoeiro, na vila de Messines. Na primeira parte do projeto estive mais encarregue da imagem gráfica, mas na segunda parte tive um trabalho de proximidade com a população, um trabalho social, foi quando escolhemos os locais onde iriam ficar as peças de latoaria. E para mim houve uma coisa muito bonita, que foi a maneira como as pessoas acarinharam o projeto. Quando fiz a primeira abordagem às pessoas, elas começaram a dizer que iam vandalizar, que iam roubar e eu pensei que estavam a dizer aquilo porque não davam valor ao projeto. Mas depois apercebi-me que as pessoas estavam era com receio que as peças fossem destruídas, porque, para elas, ter aquelas peças nas suas casas, nas suas ruas, era uma mais-valia. E destruir aquilo era como se destruíssem uma parte da casa delas. Mas felizmente o percurso está feito há um ano e meio e tem-se conservado. E este projeto da latoaria em Messines, que tem tido apoio da Junta de Freguesia e da Câmara de Silves. E a autarquia está a tratar do espólio do senhor Raúl, o último latoeiro, que era mesmo um bom artífice, para ficar no Museu do Traje, será um bom complemento a este percurso.

Um dos meus receios é que se façam esses projetos, estas ações interessantes mas depois não aconteça mais nada…

Para haver continuidade, era necessário criar polos criativos que atraíssem pessoas jovens, que é o que interior precisa.

E tem que se articular essa necessidade de pessoas e de trabalho nas regiões do interior com questões como a habitação. Neste momento, se um jovem quiser vir trabalhar para Messines ou Silves não consegue casa para alugar. Isto tudo tem de ser pensado.

Veja Também

A Fada Oriana apresenta-se em Silves

No dia 13 de novembro a Biblioteca Municipal de Silves  convida os alunos do 1.º …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *