Home / Sociedade / História & Património / Rota das Ermidas e Nova Sinalética para o Património

Rota das Ermidas e Nova Sinalética para o Património

No âmbito das Jornadas Europeias do Património, que também se comemoraram em Silves, a autarquia apresentou publicamente o projeto para a Rota das Ermidas e a nova sinalética informativa colocada nos monumentos nacionais existentes no concelho.

A apresentação do projeto da Rota das Ermidas aconteceu no dia 27 de setembro, no Museu Municipal de Arqueologia de Silves. A intervenção principal esteve a cargo do técnico do Município, Jorge Correia, que falou dos objetivo de criação desta rota, que parte da evidência do território do concelho ser “herdeiro de uma vasta e rica história e de um valioso património religioso, ligado à memória coletiva”. As ermidas, explicou, são templos religiosos de menor dimensão, habitualmente colocados em áreas afastadas dos núcleos populacionais e onde as populações se deslocavam em romaria.

São 10 as ermidas que estarão incluídas neste roteiro, fundamentalmente dirigido ao “turista cultural e religioso”: Ermida de S. Pedro, Ermida de N. Sr.ª da Saúde, Ermida de S. Sebastião, e Ermida de Sant’Ana, em São Bartolomeu de Messines; Ermida de N. Sr.ª do Pilar e Ermida de S. Sebastião, em Algoz; Ermida de N. Sr.ª dos Aflitos – Santo António das Areias, em Armação de Pêra; Ermida de S. Sebastião, em Alcantarilha; Ermida de S. Lourenço, em Pêra; Ermida de N. Sr.ª dos Mártires, em Silves.
Na sua exposição, Jorge Correia adiantou que estas ermidas são datadas dos séculos XVII ou XVIII (à exceção da Sr.ª dos Mártires, em Silves, que data do século XIII ou XIV), embora se creia que são, na realidade, mais antigas e que terão sido reconstruídas sobre estruturas já existentes, após o terramoto de 1775. Uma outra curiosidade recai sobre a Ermida de S. Sebastião, em Alcantarilha, que recebeu a visita do rei D. Sebastião, que aí parou para rezar, na visita que efetuou à localidade, em 1573.
Além do percurso pelas citadas ermidas, a Rota a construir irá incluir outras informações relevantes para os turistas e sinalética em vários idiomas.

Um problema que se coloca é o mau estado de conservação de algumas destas ermidas, com destaque para a Ermida de Sant’Ana, cujo telhado abateu e foi alvo de vandalismo; e para a Ermida de N. Srª do Pilar, alvo de furtos e de abandono que levou a grande degradação. Uma situação a que a autarquia não está alheia, tendo, no caso da ermida do Algoz, promovido juntamente com a Comissão Amigos da Ermida uma candidatura para financiamento das obras. No caso da Ermida de Messines, a autarquia também tem feito contactos com a Paróquia local, por não ser proprietária deste património e não se poder responsabilizar pelo mesmo, como foi afirmado pela presidente Rosa Palma, na ocasião.
A outra questão em que a autarquia está a trabalhar é no sentido de garantir que, uma vez a rota implementada, as ermidas se encontram abertas para as visitas, o que pode passar por confiar a chave a algum vizinho, como já acontece nalgumas localidades.

Nova sinalética
Junto à Porta da Almedina, em Silves, fez-se o descerramento simbólico da sinalética que foi instalada junto a todos os monumentos classificados de âmbito nacional do Concelho, com o objetivo de criar não só uma imagem uniforme e reconhecível desses mesmos monumentos, mas também para fornecer informação a quem por eles passa.
Nesta primeira fase foi colocada a sinalética nos Monumentos Nacionais e Imóveis de Interesse Público. Está prevista ainda a instalação junto a equipamentos com interesse histórico, patrimonial e cultural e no interior do Castelo de Silves.

A apresentação da nova sinalática com as presenças de Rosa Palma, Mário Godinho e Luísa Conduto Luís, na Porta da Almedina

A nova sinalética foi colocada, por todo o concelho, nos monumentos classificados de âmbito nacional:
Silves: Castelo, Sé, Muralhas da Almedina (2); Cruz de Portugal, Igreja da Misericórdia, Ermida dos Mártires; Ponte Velha, Pelourinho, Cisterna da Rua do Castelo;
Alcantarilha: Quinta da Cruz, Castelo de Alcantarilha, Igreja Paroquial;
Pêra: Igreja de S. Francisco;
Armação de Pêra: Fortaleza de Armação de Pêra;
Algoz: Ermida de N. Sr.ª do Pilar;
S.B. Messines: Igreja Matriz.

A convite da presidente da Câmara, Aurélio Nuno Cabrita (autor dos textos) e Jorge Correia (autor das ilustrações) descerraram a sinalética junto ao Pelourinho
A nova sinalética, com informação em várias línguas

O programa das Jornadas integrou ainda “Um dia com o Oleiro da Mouraria”, atividade desenvolvida com alunos do 1º ciclo e a distribuição de postais realizados por alunos de Artes da Escola Secundária de Silves, no âmbito da iniciativa “Ilustrar o Centro Histórico”. As comemorações encerraram com um concerto com Duo da Orquestra de Jazz do Algarve. A atividade prevista de ação de responsabilidade social “Limpeza da Necrópole da Amorosa” não se realizou por não haver inscrições.

Veja Também

A Fada Oriana apresenta-se em Silves

No dia 13 de novembro a Biblioteca Municipal de Silves  convida os alunos do 1.º …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *