Home / Concelho / Obras de conservação e restauro no Castelo de Silves

Obras de conservação e restauro no Castelo de Silves

A Câmara Municipal de Silves iniciou, esta semana, obras de conservação e restauro da Torre 1 e Alçado Sul junto à entrada do Castelo de Silves.

Os trabalhos estão a cargo do Serviço de Conservação e Restauro da Divisão de Cultura, Turismo e Património e do Serviço de Pedreiros da Divisão de Obras Municipais e Trânsito da autarquia, que realizarão trabalhos para reparar patologias e danos identificados.

Segundo  autarquia, foi feito um diagnóstico às zonas que serão intervencionadas, tendo sido “detetado o destacamento de elementos pétreos, que se deve à abertura de juntas provocada por envelhecimento e erosão das argamassas existentes, alterações resultantes da ação contínua de vários fatores ambientais. O destacamento de elementos pétreos contribui para o aparecimento de diversas lacunas de material, que podem facilitar a nidificação de animais diversos, a colonização de vegetação infestante, a entrada de água na estrutura, entre outros.

O objetivo da proposta em causa será a conservação e restauro de características formais e funcionais, respeitando a sua integridade física e química, através de técnicas e materiais reversíveis e compatíveis com os materiais originais/existentes.”

A torre alvo desta intervenção apresenta um formato quadrangular e localiza-se num dos vértices do perímetro amuralhado, estrategicamente posicionada para defender o flanco oeste da principal porta da alcáçova. Trata-se da torre mais antiga deste dispositivo defensivo na qual ainda se conserva parte do aparelho original, designado por “soga e tição”, cuja construção remonta ao domínio islâmico, presumivelmente durante o séc. X (período califal).

A intervenção neste Monumento Nacional (classificado como tal em 1910) “pretende garantir a salvaguarda, seguindo o princípio da intervenção mínima que deve orientar sempre as intervenções de conservação e restauro, bem como a segurança das pessoas que circulam diariamente por aquele Monumento Nacional e foi previamente aprovada pela tutela – a Direção Geral do Património Cultural -, tendo sido desenvolvido antecipadamente o diagnóstico do estado de conservação pela equipa de Conservação e Restauro da autarquia.”

“Considerando o valor histórico-cultural do segundo monumento mais visitado do Algarve, é de todo pertinente a intervenção prevista, tendo em vista a sua perpetuação para as gerações futuras”, conclui a autarquia.

Veja Também

Câmara cria simuladores de taxas urbanísticas

Já é possível ao cidadão saber antecipadamente o valor a pagar relativamente às taxas urbanísticas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *