Acusação para mulher que inventou que sofria de cancro

O Ministério Público do DIAP de Faro deduziu acusação contra uma mulher de 34 anos de idade pela prática de um crime de burla qualificada, tendo requerido o julgamento por tribunal coletivo.

De acordo com a acusação, durante mais de dois anos a arguida, residente em Albufeira, viveu dos fundos que obteve com a falsa alegação de que tinha uma doença oncológica em fase terminal. Terá começado por dizer isso aos seus conhecidos e familiares, incluindo os seus filhos e companheiro e foi conseguindo que várias pessoas, por solidariedade, lhe entregassem elevadas quantias para a ajudarem, designadamente nos supostos tratamentos.

De forma a convencê-las, terá chegado a rapar o cabelo, a tirar fotografias em instituições de saúde especializadas no tratamento da doença, a simular feridas.

Ainda segundo a acusação, foram, desse modo, feitas campanhas em redes sociais e organizadas festas, em vários locais do Algarve, cujos lucros reverteram para a arguida, que conseguiu, assim, receber pelo menos duas dezenas de milhares de euros. Quando o esquema foi descoberto provocou grande comoção não só entre familiares e amigos mas também entre as muitas centenas de pessoas que contribuíram para ajudar nos tratamentos.

O inquérito foi dirigido pela secção de Albufeira do DIAP de Faro coadjuvado pela Guarda Nacional Republicana.

Veja Também

Vai de férias? Dez cuidados para proteger os seus ouvidos no verão

Com o bom tempo a fazer-se sentir e as temperaturas a aumentar, as idas à …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *