Home / Vida / Psicologia / Urge dizer basta!

Urge dizer basta!

Caros leitores, vou dedicar este espaço no mês em que se celebra o Dia Internacional da Mulher, a um tema que este ano tem estado mais na ordem do dia: a violência doméstica. 2019 iniciou-se com várias tristes notícias relacionadas com a morte de mais 12 pessoas vítimas de violência doméstica – onze mulheres, entre elas uma bebé de 2 anos, e um homem, foram atacados até à morte por familiares, companheiros ou ex-companheiros. Muitas delas já tinham pedido ajuda e não foram levadas a sério. Assim se perdem vidas e se destroem famílias, se roubam infâncias e crescimento saudável e equilibrado.

A Violência doméstica é um padrão de comportamento que envolve violência ou outro tipo de abuso por parte de uma pessoa contra outra num contexto doméstico, ou contra crianças ou idosos. Quando é perpetrada por um cônjuge ou parceiro numa relação íntima contra o outro cônjuge ou parceiro denomina-se violência conjugal. A violência doméstica pode assumir diversos tipos, incluindo abusos físicos, verbais, emocionais, económicos, religiosos, reprodutivos e sexuais. Muitas vezes são ignorados e desvalorizados, ou vem ao de cima o velho ditado “Entre marido e mulher não metas a colher”, pois embora em termos jurídicos seja considerado crime público, continua a existir muita resistência em denunciar. Esta postura faz-me lembrar o poema de Bertolt Brecht:

Um irmão é maltratado e vocês olham para o outro lado?
Grita de dor o ferido e vocês ficam calados?
A violência faz a ronda e escolhe a vítima,
e vocês dizem: “a mim ela está poupando, vamos fingir que não estamos olhando”.
Mas que cidade?
Que espécie de gente é essa?
Quando campeia em uma cidade a injustiça,
é necessário que alguém se levante.
Não havendo quem se levante,
é preferível que em um grande incêndio,
toda cidade desapareça,
antes que a noite desça.”

Em 2017, foram registados em todo o território nacional 22.599 crimes de violência doméstica, sendo que os dados indicam também que 285 homens de 50 anos sofreram às mãos das companheiras. Urge dizer basta, urge ajudar vítimas e agressores a retomar o seu equilíbrio emocional e a sua relação com os outros e com o meio envolvente. Urge identificar os fatores de stress que estão de base, para os tratar e promover relações e vivências sem violência. Todos temos de nos envolver, pois só este envolvimento poderá ajudar a mudar comportamentos, não só na denúncia dos casos, mas e sobretudo na educação para a não-violência desde tenra idade, pois esta elimina os danos provocados no que nos rodeia, e ajuda a pessoa a transformar-se.

Eu sou contra a violência porque parece fazer bem, mas o bem só é temporário; o mal que faz é que é permanente.- Mahatma Gandhi

Partilhe nas redes socias:
Share on Facebook
Facebook
0Pin on Pinterest
Pinterest
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Veja Também

IPDJ procura jovens voluntários para rede “Namorar com fair play”

Encontram-se abertas as inscrições para jovens voluntários/as integrarem a rede nacional de voluntariado «Namorar com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *