Home / Sociedade / Política / Assembleia Municipal reuniu em Messines, com participação da Assembleia Municipal Jovem

Assembleia Municipal reuniu em Messines, com participação da Assembleia Municipal Jovem

A Assembleia Municipal de Silves esteve reunida em São Bartolomeu de Messines, no dias 22 e 27 de fevereiro, em continuação da sessão.

A sessão do dia 22 teve início de uma forma menos habitual, já que contou com a participação dos membros da Assembleia Municipal Jovem. Começou com a presidente cessante, a jovem estudante Leonor Luz a passar o cargo a David Mendes, o novo presidente durante este ano letivo. No âmbito do projeto Assembleia Municipal Jovem, jovens de todas as escolas do concelho constituem-se em grupo e analisam determinados temas, identificando as fragilidades nesses sectores e apresentando à Assembleia Municipal de Silves propostas para as corrigir, como explicou o jovem David Mendes.

Alguns dos membros da Assembleia Municipal Jovem. À direita, o novo presidente David Mendes tendo a seu lado a presidente cessante, Leonor Luz

Assim, um por um, tomaram a palavra os jovens representantes das várias escolas, apresentando os temas trabalhados:
– Mariana Miranda, da Escola Secundária de Silves, com o tema “Cidadania e participação cívica”; Dário Costa, da EB 2.3 Dr. Garcia Domingues, com o tema “Ambiente”; Miriam Cabrita, da EB 2.3 João de Deus, com o tema “Turismo e Reabilitação Urbana”; Mariana Encarnação, da EB 2.3 Dr. António Contreiras, com o tema “Equipamentos e Recursos Materiais e Humanos”; e Laura Gadani, da EB 2.3 Algoz, com o tema “Acessibilidades e Transportes”.
Aos representantes da Assembleia Municipal Jovem, a presidente Rosa Palma agradeceu a sua intervenção e contribuição e fez votos para que, através da educação, os jovens ganhem a capacidade de criar a sua própria opinião.

Seguiu-se o período de audiência ao público que contou com várias intervenções de habitantes da freguesia de São Bartolomeu de Messines. A necessidade de levar a água canalizada a vários locais da freguesia, como Gavião de Baixo e Vale Figueira e pedidos para alcatroamento de estradas, bem como queixas sobre as condições na EB 1 de Messines, pela falta de um toldo e pelas más condições das casas de banho foram algumas das reclamações apresentadas.
A estas questões, a presidente Rosa Palma respondeu que o executivo estava a fazer o possível por lhes dar resposta, acrescentando: “entristece-me ver que todos os pedidos são para resolver necessidades básicas que já deviam ter sido resolvidas há muito tempo mas nós só podemos responder pelos últimos cinco anos”.

O executivo municipal

Foram depois apresentadas várias moções, pela CDU, nomeadamente: Pelo Alargamento da Extensão do Centro de Saúde Messines até às 20h; Pela Abertura da Estação da CP em Messines e a Paragem do Comboio Alfa-Pendular; pela Construção do Estabelecimento Prisional Regional do Algarve na Portela de Messines; e ainda uma Moção de Solidariedade com os ex-trabalhadores da Alicoop/Alisper. Todas elas foram aprovadas por unanimidade.
Foi também aprovado por unanimidade um voto de pesar pelo falecimento de Maria Luísa Anselmo, proposto por Horácio Duarte, da CDU. Lembrou-se o seu trabalho pela cultura e pelo teatro em Silves. A Assembleia cumpriu depois um minuto de silêncio.
O membro do Bloco de Esquerda, Carlos Cabrita, apresentou uma Moção “contra o mau funcionamento da ETAR” de Messines, tendo o presidente da Assembleia, Vítor Rodrigues, informado que, na sequência de reclamações anteriores apresentadas à Águas do Algarve, estava já agendada uma visita a esta infraestrutura.

Questões ao Executivo

No período de questões ao executivo da Câmara Municipal, os membros do PS, Ana Sofia Belchior e Luís Guerreiro, perguntaram sobre o ponto de situação da construção da central de recolha de lamas na freguesia, o abastecimento de água ao Benaciate, os atrasos nas obras do parque de feiras e de mercados e ainda sobre a exploração pecuária em Messines. O membro do PSD, Fábio Antão falou sobre as ermidas de Sant’Ana e de Nossa Senhora da Saúde, querendo saber se estão previstas algumas obras de recuperação, bem como a substituição dos painéis informativos do percurso arqueológico. O presidente da Junta de Freguesia de S. B. Messines, João Carlos Correia, fez um apelo ao aumento da segurança no concelho e além de agradecer à Câmara “o que tem sido feito por nós” fez votos para que as obras do Centro Histórico da Vila de Messines avancem finalmente.
Ainda o membro do BE, Carlos Cabrita, fez várias perguntas sobre o projeto de remodelação do Mercado Municipal de Messines, querendo saber, por exemplo, se está prevista a instalação de painéis fotovoltaicos para aquecimento de água, e falou sobre a Barragem do Funcho que “tem um potencial enorme” mas que “não tem utilização definida”.

Numa resposta geral a estas questões, a presidente da Câmara, Rosa Palma, informou que o projeto da central de lamas se encontra “parado”, que efetivamente a água no Benaciate será uma realidade muito em breve e que existe um atraso considerável nas obras do parque de feiras, por incumprimento da empresa “apesar de advertências”.
Reconheceu os problemas existentes nas duas ermidas assinaladas por Fábio Antão e informou que existe um “problema ainda mais grave” na Igreja Matriz de Messines, o qual terá de merecer atenção.
Sobre a pecuária de Messines, o vereador Maxime Sousa Bispo, lembrou a sua intervenção, em várias ocasiões, junto das entidades competentes, nomeadamente da Direção Regional de Agricultura e que a autarquia não reconheceu o interesse público daquela exploração.
A presidente Rosa Palma afirmou ainda que os projetos apresentados pelo seu executivo “não são feitos dos pés para as mãos” e que não são “projetos de cosmética”. Lembrou mais uma vez que em 2013, quando assumiu a autarquia de Silves, encontrou uma “dívida de 22 milhões de euros”, que a CDU tem estado a pagar e que o seu executivo só fez empréstimos para investimento e não para pagar dívidas, como fora feito em 2009 pelo executivo do PSD.
Ainda sobre o problema da segurança, disse que o mesmo tem sido reportado às autoridades mas que existem dificuldades em termos de meios humanos.
Dado o adiantado da hora, depois das respostas por parte do executivo, foi suspensa a reunião, que prosseguiu no salão da Junta de Freguesia no dia 27.

Transferência de Competências para AMAL

Da ordem de trabalhos destacou-se o tema da “Análise e Deliberação da Proposta de Transferência de Novas Competências para as Entidades Intermunicipais”, no que respeita à promoção turística, justiça, fundos comunitários e proteção civil.
Essa transferência estava prevista para a AMAL, no caso do Algarve, para janeiro de 2019, mas para que se concretizasse era necessário ser aprovada pelas assembleias municipais de todos os concelhos, o que não aconteceu. Antes desta reunião, a transferência da promoção turística, já tinha sido foi chumbada em Olhão e Loulé., embora as restantes tivessem sido aprovadas.
Em Silves, a proposta das transferências foi votada em conjunto. Foi aprovada a rejeição das transferências com os votos a favor da CDU e do PSD e contra do PS.

Veja Também

FIESA muda de nome e deixa Pêra

O FIESA- Festival Internacional de Esculturas em Areia, que desde 2003 estava instalado num terreno …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *