Home / Sociedade / Política / Assembleia Municipal de Silves aprova orçamento da Câmara para 2019

Assembleia Municipal de Silves aprova orçamento da Câmara para 2019

Depois de ter sido aprovado na Câmara Municipal, com os votos favoráveis do executivo CDU (4) e os votos contra dos vereadores do PSD (2) e do PS (1), o Orçamento da Câmara Municipal de Silves para 2019 foi aprovado por maioria na sessão de Assembleia Municipal, com 14 votos a favor, da CDU (13) e do BE (1) e com 11 abstenções, do PS (5) e PSD (6).

Na Assembleia, que decorreu no dia 29 de novembro, o membro do Bloco de Esquerda, Carlos Cabrita, foi o único a apresentar uma declaração de voto justificando o seu voto favorável pelos “méritos técnicos da proposta” e devido à “regularização financeira” da autarquia que o executivo CDU conseguiu, mas criticou o orçamento por lhe faltar “ambição” e “visão global para o futuro do concelho”.
Antes da votação, a presidente Rosa Palma apresentou o documento, em linhas gerais, começando a sua intervenção lamentando o “incumprimento da lei das Finanças Locais”, por parte do Governo, e a tentativa do mesmo de “impor à força a delegação de competências”, uma situação que pode “colocar em causa a sustentabilidade da própria autarquia”. Uma declaração que surge no contexto da recusa da Câmara Municipal de Silves em aceitar a delegação de competências que o Governo pretende transferir para os municípios, sem conhecer previamente os meios atribuídos aos mesmos.
Seguidamente Rosa Palma apresentou os principais números do orçamento de 2019: 47,7 milhões de euros; sendo 37,8 milhões de receitas e 31,6 milhões de despesas, o que possibilita uma poupança de 6,2 milhões que será aplicada para “reforçar o investimento” que, no total, alcançará os 15 milhões de euros “repartido por todo o concelho”. Destacou ainda o grande número de candidaturas apresentadas pelo Município de Silves e o “grande reforço” de verbas distribuídas pelas juntas de freguesia do concelho.

Após esta apresentação, usaram da palavra os deputados municipais que quiseram interpelar a presidente Rosa Palma. Assim, Carlos Cabrita, do BE, criticou a falta de uma “leitura política a partir do documento técnico”; enquanto o presidente da Junta de Freguesia de Armação de Pêra, Ricardo Pinto, (PSD), pediu explicações sobre “algumas iniciativas” que se encontravam no orçamento de 2018 e “que não tiveram desenvolvimento” ou que tinham “desaparecido” no orçamento de 2019. E Rui Paulino, da bancada do PSD, além de questionar sobre o “pouco investimento” destinado às obras das águas pluviais e esgotos no Algoz, afirmou não conseguir ver no orçamento “nada para fixar jovens, nem emprego, nem habitação”.
Por sua vez, Marco Jóia, da CDU, considerou que o orçamento de 2019 apresentado pelo executivo CDU evidencia “um conhecimento profundo dos anseios do concelho” e realçou que o mesmo é resultado de um “método alargado de auscultação e envolvimento da população, com o orçamento participativo, das freguesias e das associações” e que as verbas significativas destinadas ao investimento serão gastas “a favor das populações”.
A bancada do PS optou por não intervir nesta parte da sessão, o que causou alguma “perplexidade” ao eleito do BE, que a expressou em voz alta. Em resposta, Luís Guerreiro, da bancada do PS, disse que cabia ao seu partido escolher o local e o momento e que “o PS há de ter o momento oportuno para se pronunciar sobre o concelho”.

Outras decisões

Depois deste pequeno momento de animação partidária, a Assembleia prosseguiu com propostas e votações que não tiveram discussão, sendo todas aprovadas tais como, a proposta de mapa de pessoal para 2019 e a abertura de vários concursos para chefes de divisão da CMS.
A Assembleia aprovou também as propostas apresentadas pelo Executivo Municipal referentes às taxas do IMI, à participação variável no IRS, à Taxa Municipal de Direitos de Passagem e ainda a proposta de isenção de impostos municipais no âmbito da reabilitação urbana.
Para integrarem o Conselho Municipal da Juventude, foram indicados os nomes de Marcelo Morais (CDU); Fábio Antão (PSD); Ricardo Cabrita (PS). O presidente da Assembleia Municipal, Vítor Rodrigues, foi designado como tutor responsável pelo acompanhamento do Projeto Assembleia Municipal Jovem 2018/2019.

Questões apresentadas

No período de questões à Câmara Municipal, o Executivo Municipal foi questionado sobre vários assuntos. Destacam-se as intervenções de Ana Cristina Santos, do PS e de João Carlos Correia, presidente da Junta de Freguesia de Messines (CDU).

A falta de limpeza da Praia dos Pescadores, em Armação de Pêra, e a demora na execução das obras de drenagem nas ruas desta vila, e a insegurança que se vive em São Bartolomeu de Messines, localidade onde se tem verificado uma série de assaltos, bem como o funcionamento deficiente da ETAR junto a esta vila foram preocupações expressas por estes membros.

Sobre a Praia dos Pescadores, a presidente da Câmara afirmou que no final deste verão tinham sido recolhidos alguns barcos que já estavam abatidos, mas o trabalho de fundo que tem de ser feito é a requalificação dos apoios de praia, o que a autarquia deseja realizar, embora tenha por resolver o problema da propriedade da praia.

Sobre a questão da falta de segurança em Messines, Rosa Palma informou que recentemente foram colocados novos comandantes de posto no concelho e que ainda não houve tempo para realizar uma reunião conjunta com os mesmos, o que será tratado, e aconselhou a Junta de Freguesia a dar conhecimento à Águas do Algarve o que se está a passar na ETAR de Messines.
Ainda respondendo a uma questão de Carlos Cabrita, do BE, a presidente Rosa Palma informou que a autarquia está a avaliar a colocação de pontos de carregamento para veículos elétricos junto às Piscinas Municipais.

Veja Também

Assembleia Municipal Jovem de Silves recebida na Assembleia da República

Os jovens do concelho de Silves que integram a Assembleia Municipal Jovem deslocaram-se em visita …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *