Home / Sociedade / Cultura / “Cá se Faz” com Mónica Pereira e Helena Madeira

“Cá se Faz” com Mónica Pereira e Helena Madeira

A rúbrica “Cá se Faz” regressará ao Teatro Mascarenhas Gregório, a 3 de novembro, pelas 21h30, desta feita com um espetáculo que juntará Mónica Pereira e Helena Madeira e que se intitula “FACES“ do Projecto Arbol.
Esta iniciativa da Câmara Municipal de Silves procura homenagear talentos algarvios com carreira internacional, mas que por cá são menos reconhecidos.

“O espetáculo FACES é uma criação do Projecto Arbol na região do Algarve, criado por Helena Madeira e Mónica Pereira, ambas sediadas em Silves. Num só momento a Música (harpa e canto) e a Dança unem-se à Poesia, conduzindo os espetadores numa viagem multidisciplinar, que reinventa cada uma destas artes e oferece outro olhar sobre as mesmas.

A exploração de movimentos contemporâneos, juntamente na área da Dança aliada à Música, à Poesia e à Dança transformam-se numa só, de forma complementar e harmoniosa, realçando a Mulher, através destas artes, contando com sonoridades clássicas, medievais, célticas e com um balanço de África.

A necessidade de inovação e busca pela criação levaram estas duas artistas a explorarem o seu lado mais criativo e experimental, conduzindo  o espetador numa viagem pelos sentimentos mais puros da alma, pelas virtudes e defeitos humanos.”

A iniciativa terá três artistas convidadas, também da região:
Música: Cátia Alhandra;
Dança: Célia Fernandes;
Poesia e recolha bibliográfica: Sónia Pereira

O ingresso para este espetáculo terá um custo de €5,00 e poderá ser adquirido antecipadamente no Museu Municipal de Arqueologia de Silves. Reservas: Sector de Cultura da CMS | tel.: 282 440 800 | email: cultura@cm-silves.pt

Mónica Pereira inicia o seu percurso na dança em criança com o estudo e a prática de vários estilos de dança.
Formada em motricidade Humana pelo Centro de Estudos Fitness, conclui a sua especialização em atividades de grupo.
Com 15 anos iniciou-se nas artes circenses, desenvolvendo um trabalho muito característico dentro da manipulação de materiais de fogo. Atualmente continua a desenvolver-se nessa área, sendo uma das primeiras bailarinas a fazer a fusão de dança tribal com fogo em Portugal. Este estilo muito próprio e característico desta bailarina, tem levado a apresentar-se nos mais diversos palcos e festivais nacionais e internacionais.
A necessidade insaciável de conhecimento na área da dança, levou-a a conhecer as suas mestres, Luciana Santoro com formação em uma das mais conceituadas companhias de dança do Brasil, Raça Cia. de Dança de São Paulo e Judite Dilshad, pilar incontornável no panorama nacional da dança tribal, com as quais mantém constante formação.
É no Algarve que desenvolve maioritariamente o seu trabalho como artista, professora, gestora e organizadora de eventos, sendo a primeira professora a lecionar aulas de dança tribal fusão no Algarve.
Para além do seu trabalho a solo, Mónica Pereira trabalha em parceria com os mais diversos artistas nacionais e internacionais, desenvolvendo projetos nas mais variadas artes.
É membro do grupo profissional de dança oriental Akahawt al raks, onde se apresenta como bailarina e coreógrafa, do grupo Dilshadance onde se apresenta como bailarina, é cofundadora da Ass. Raks al amar e membro ativo na comunidade da dança, pretendendo através da sua arte criar e desenvolver trabalho de qualidade para e com a comunidade que a rodeia, desenvolvendo raízes forte e seguras para poder continuar a crescer.

Helena Madeira, Licenciada em Antropologia e Língua Italiana, iniciou o estudo do canto lírico com Fernando Serafim na Juventude Musical Portuguesa em 2004, mas foi no mundo da música “folk” que deu os primeiros passos rumo a uma carreira profissional.
Frequentou o curso de Canto e Harpa no Conservatório Nacional, tendo também passado, pela Escola de Jazz do Hot Club em Lisboa.
Participou em seminários sobre Canto com Lúcia Lemos, Claire Honigsbaum, Cathérine Rey, Meredith Monk e Jill Purce (Londres) e sobre Harpa, no Festival Internacional de Harpa de Edimburgo desde 2009.
Participou como cantora, no seu primeiro disco em 2004, na banda Dazkarieh e, desde 2006, é vocalista da banda de world music MU, com quem gravou o album Casanostra em 2008 (Prémio Carlos Paredes 2009) e Folhas que Ardem em 2012. Apresentaram-se ao vivo em Espanha, Londres, Suécia, Roménia, Malásia e Índia.
Em 2010, deu início à sua carreira a solo sem que disso se apercebesse, compondo canções para canto e harpa. Gravou duas coletâneas de canções e, em finais de 2014 apresentou o seu primeiro disco Da Voz do Embondeiro, no Teatro Lethes em Faro.
Este seu trabalho a solo é o resultado das suas viagens pela costa Ocidental Africana e pela Europa, e do encontro com músicos tradicionais dos diferentes países.
Desde 2012 já foi convidada a tocar em Espanha, Brasil e em Cabo Verde.
Gravou em 2015 com a banda Farense Esfinge e, a par destes trabalhos originais, desenvolveu repertório de música medieval, apresentando-se na conceituada Viagem Medieval de Santa Maria, e nos Dias Medievais de Castro Marim, em 2016 e Feira Medieval de Silves, em 2017. Tem acompanhado ainda, inúmeros casamentos, batizados e outros eventos.
Tem participado em variadas parcerias musicais, a última das quais, apresentada no passado mês de setembro no Hotel Ritz em Lisboa, ao lado do pianista Artur Guimarães e da cantora Sofia Escobar.

Veja Também

Segurança Social em Messines, sem condições, afirma o PCP

O deputado do PCP, Paulo Sá, questionou recentemente o Governo sobre as deficientes condições de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *