Home / Algarve / Falta concertação aos transportes, no Algarve, afirma a DECO

Falta concertação aos transportes, no Algarve, afirma a DECO

A DECO terminou a 1ª etapa do seu projeto “Fala greve ao seu carro – Estes transportes não nos servem”, focado nas fragilidades dos transportes públicos coletivos do Algarev e divulgou os resultados.
Nesta ação, cujo principal intuito consistiu em “compreender as causas do acentuado declínio da utilização dos transportes e mobilizar os consumidores para esta problemática” foram realizados cinco percursos, entre Tavira e Sagres, envolvendo sete entidades institucionais.

Segundo a DECO, os “transportes que motivam a maioria das queixas são os terrestres e ferroviários, recaindo essas reclamações sobretudo nos atrasos e na diminuição ou supressão de linhas/horários/ percursos.
No caso da região algarvia os principais problemas prendem-se com a ausência de uma estratégia de concertação intermodal e entre ligações de uma mesma operadora, a desadequação dos tarifários, a insuficiente e débil informação disponibilizada e assimetrias regionais.”

A DECO Algarve irá agora discutir as suas conclusões com estas entidades e com as operadoras de transportes, e “reivindicar uma rede adequada e funcional, sendo para isso essencial integrar as reais carências e os interesses dos seus utilizadores e daqueles que gostariam de o ser”.
Como referiu Tânia Neves, porta-voz da ação, “Pretendemos denunciar as dificuldades da rede diretamente com as entidades envolventes e sugerir a introdução de metodologias participativas de diagnóstico e planeamento dos transportes e da
mobilidade, e de formas de transporte inovadoras e flexíveis, para garantir a inclusão de todos.”.

De referir que a campanha nacional da DECO “Queixas dos Transportes” – www.queixasdostransportes.pt, em que se inspirou a ação algarvia, recebeu já 8191 inscrições e 3766 reclamações.

Veja Também

O mercado interno e a Páscoa “aceleram” turismo no Algarve

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou os resultados da atividade turística no primeiro trimestre …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *