Home / Sociedade / Cultura / Exposição “Dançando o Mouro”, no Museu de Arqueologia

Exposição “Dançando o Mouro”, no Museu de Arqueologia

”Dançando o Mouro – Danças festivas de mouros e cristãos no Mediterrâneo Ocidental” é o nome da exposição que irá estar patente no Museu Municipal de Arqueologia de Silves, até ao dia 8 de abril.

“A mostra, que foi conceptualizada e produzida pelo Museu Etnológico de Barcelona e a Associação Cultural Joan Amades, explora os bailes festivos de cariz tradicional, tanto no mundo islâmico como no mundo cristão. A primeira parte da exposição analisa a diversidade formal e geográfica das diferentes celebrações, assim como a inter-relação entre os aspetos folclóricos, míticos e históricos que encontramos em torno da imagem do mouro. Na segunda parte é analisado o imbrincado corpus de universos festivos que se desenvolveram ao longo dos séculos e o importante contributo que a cultura andaluza exerceu sobre as práticas festivas cristãs durante o outono medieval e o princípio da idade moderna.”

A exposição poderá ser visitada de 2.ª feira a domingo, das 10h00 às 18h00 (última entrada: 17h30).

 

Sobre a exposição “Dançando o Mouro”

Atualmente, mais de mil povoações em todo o mundo encenam representações festivas protagonizadas por mouros e cristãos. A meio caminho entre a história e o mito, juntam-se costumes, personagens e significados que transmitem a confrontação entre dois grupos antagónicos. A dança, a música e a ação dramática convertem-se em elementos comuns que giram em torno de uma figura festiva ancestral, fruto do cruzamento de caminhos do Mediterrâneo: o mouro.

Desde há vários séculos, os territórios de língua catalã do Mediterrâneo ocidental são um dos centros nevrálgicos onde a imagem festiva do mouro dançou das mais diversas formas. Hoje, estes bailes ainda perduram de uma ou de outra forma e recuperam forças nos limites da identidade e da memória perdida…

O projeto expositivo Dançar o mouro recolhe bailes festivos de raiz tradicional onde o mouro fingido, contraposto ou não ao cristão, representava – ou ainda representa – um papel relevante. Desenvolve-se um percurso iconográfico, fotográfico e textual que, com a dança como leitmotiv, ilustra as múltiplas figuras do mouro festivo e dramático desde a Idade Média até aos nossos dias.

Exposição itinerante comissariada por Raül Sanchis Francés, produzida pelo Museu Etnològic de Barcelona e pela Associació Cultural Joan Amades com a colaboração do Departament de Filologia Catalana de la Universitat Rovira i Virgili de Tarragona, da Diputació de Tarragona e da Cases de la Festa de l’Ajuntament de Barcelona.

 

Veja Também

Quem nos protege lá da serra

Em 2003, o fogo avançou descontrolado sobre Silves, rondando as muralhas do Castelo e assustando …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *