Home / Vida / Pessoas / Ao Bairro Vermelho-Enxerim, O meu pedido de desculpas

Ao Bairro Vermelho-Enxerim, O meu pedido de desculpas

Acordei hoje como sentimento que devo um pedido de desculpa internacional.
Em primeiro lugar, devo um pedido de desculpa internacional por nunca não ter usado o meu dever de cidadania, e não ter organizado um grupo de voluntariado para limpar todos os anos que separam estas duas fotos, os pastos que teimem em nascer e crescer, num terreno baldio, deste bairro auto construtivo.

Em segundo lugar, devo um pedido de desculpas ao actual e Ex Presidente da República Portuguesa, ao actual e Ex Primeiro-Ministro da mesma república, aos Ministros e Ex – Ministros da Administração Interna e do Ambiente e aos Secretários e Ex – Secretários de Estado dos Ministros dos pelouros referidos acima.
E ainda, em modo de cumprir as hierarquias da regionalização nunca estabelecida para esta nossa república, sinto também que devo um enorme pedido de desculpa aos antigos Governadores Civis, aos atuais e Ex- Presidentes da Assembleia Municipal e da Câmara Municipal do concelho onde o Bairro Vermelho do Enxerim se situa. Assim como sinto a obrigação tácita de dirigir o meu pedido de desculpas também aos actuais e Ex- Vereadores Permanentes e não Permanentes dos diversos pelouros deste concelho. Sinto ainda que não me posso esquecer de alargar este meu sincero pedido de desculpa ao Presidente e Ex Presidentes da Junta de Freguesia de Silves, sinceramente Exmos Senhores e Exmas Senhoras, peço desculpa por todos estes anos não vos ter massacrado com cartas a expor este assunto e com as fotos dos pastos que aqui crescem todos os anos, sujeitos a altas temperaturas.

Em terceiro lugar, devo o meu maior e mais sentido pedido de desculpa, aos moradores do Bairro Vermelho, falhei com todos aqueles que me olharam e me cuidaram na infância, que perderam minutos do seu tempo a ver se não eu caía do baloiço, e que me socorreram sempre nas minhas quedas no parque infantil, sim, porque neste lugar que vos falo, existiu há mais de trinta anos um parque infantil.
E é a todos estes seres humanos que eu devo o maior pedido de desculpa, porque os deixei vulneráveis ao fogo que teima em aparecer por ali todos os verões. Sinto-me culpada porque descuidei o bem essencial da amizade e da solidariedade e porque me calei à espera que alguém se queixasse e à espera que o tempo resolvesse esta causa, sinto-me culpada porque os coloquei em perigo.

Por último devo um enorme e ainda maior pedido de desculpa ao meu tio por, após a sua morte, nunca ter interiorizado a sua luta e por não ter continuado a enviar cartas e solicitar que este problema fosse resolvido. No fundo, tenho de assumir o egoísmo que teima em não aceitar os problemas dos outros como nossos. Mais uma vez falhei.
Espero não mais vir a pedir desculpa por esta causa, e espero também um dia ver cumprir um sonho: que os pastos sejam substituídos por centro comunitário ao serviço das necessidades dos habitam o lugar do Enxerim (Silves).

A todos os leitores o meu pedido de desculpa.

 

Texto e Fotos: Hélia Coelho

Veja Também

Diagnóstico atempado podia evitar 60 por cento dos casos de perda de visão

Um estudo realizado pela Universidade Nova de Lisboa revela que dos mais de dois milhões de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *