Home / Desporto / Novo clube de natação: Aquático Clube de Silves

Novo clube de natação: Aquático Clube de Silves

Em Silves, nas Piscinas Municipais, há um novo projeto a dar os primeiros passos. Trata-se do Aquático Clube de Silves, o único clube de natação no concelho.
Os seus objetivos são claros: “1º formar jovens; 2º formar nadadores; 3º formar campeões”. “Por esta ordem de prioridades”, reforça Ricardo Correia, o treinador principal.
O clube está aberto a todos os jovens que cumpram os requisitos mínimos.

Atualmente, são 35 os jovens nadadores, com idades entre os 9 e os 19 anos que treinam no Aquático Clube de Silves. A época de natação teve início a 1 de outubro e até ao final de julho irão treinar, praticamente todos os dias (6 dias por semana), na repetição dos exercícios que poderão trazer algumas medalhas para Silves.
Para já, há pelo menos cinco atletas que irão participar em provas do campeonato nacional.

Os nadadores do Aquático Clube de Silves

Mas este clube não surgiu do nada. Pelo contrário, há já um percurso anterior, construído pelos nadadores e por Ricardo Correia. “O grupo de trabalho já existia, são jovens nadadores formados na escola do Município que se encontravam na equipa de natação do Clube Os Armacenenses”.
Foi no Clube Os Armacenenses que Ricardo Correia começou a construir a equipa de natação do Concelho que em 2014 teve o seu ponto alto, quando Catarina Sequeira conquistou a primeira medalha do concelho de Silves em competições nacionais, alcançando a 3ª posição júnior em Portugal.
Ultimamente, diz o treinador, a situação no Armacenenses estava “meio estagnada” pelo que sentiu “necessidade de procurar um novo caminho, de tentar crescer”, o que aconteceu numa transição “muito pacífica e de comum acordo”.
Assim foi criado o Aquático Clube de Silves, uma associação desportiva sem fins lucrativos, cujo presidente é também Ricardo Correia. Os órgãos sociais são compostos por pais dos jovens nadadores, os quais assumem um papel muito importante na construção e manutenção deste grupo de trabalho. “Sem o apoio dos pais, não seria possível…”

Formação e competição

Os objetivos do clube são os enunciados: “queremos primar por três coisas: formar jovens, formar nadadores, formar campeões, por esta ordem de prioridades”.

Ricardo Correia

Para Ricardo Correia, a formação dos jovens é a componente mais importante do seu trabalho, no qual a disciplina desempenha um papel fundamental, bem como a entrega ao trabalho, a dedicação. Valores que se refletem noutras áreas, uma vez que “temos vários nadadores no quadro de honra da escola”.
Só depois da formação é que aparece a parte da competição. “Temos de pensar em fazer bem, mas antes de ganharem medalhas têm de aprender a competir”.
Sendo também ele atleta premiado no Aquatlo e Triatlo, e nadador de competição há 27 anos, Ricardo Correia sabe do que fala quando reconhece que “gerir derrotas é difícil”.
Por isso insiste na formação do jovem nadador, antes das medalhas, apesar de as desejarem. Afinal, é também para elas que trabalham todos os dias.
“Apostamos na qualidade, apontamos à perfeição dentro do possível e as medalhas podem surgir, mas não são fruto do acaso, são o resultado de muito trabalho. E para um nadador alcançar medalhas temos de criar condições de qualidade a longo prazo”. Apenas um exemplo, nos clubes de alto rendimento existe um treinador para 5 ou 6 atletas, nos restantes o normal é haver um treinador para cerca de 15 atletas.
Outra questão importante para a competição tem a ver com a natureza do próprio nadador. É conhecido que determinadas características físicas são muito importantes para os resultados, mas também é importante a idade com que se começa a nadar, explica Ricardo. “Por exemplo, a natação exige sensibilidade à água, a capacidade de sentir a água desenvolve-se dos 8 aos 12 anos”. Se o contacto com a água for feito depois dessa idade será difícil alcançar resultados extraordinários.
Mas há muitas formas de alcançar resultados. No final dos exercícios do dia, o treinador dava os parabéns à Anita e ao Tomás Costa, por terem sido os melhores do dia. Os melhores do dia, mas nem melhores nem piores do que os outros. Ricardo Correia explicava: isto significa que eles treinaram melhor do que as suas médias. Aqui, os nadadores não são comparados uns com os outros, digamos que cada um compete contra si próprio, tentando melhorar os resultados anteriores.
Durante seis dias por semana, o grupo dos 12 aos 19 anos treina durante 1h45m, os mais pequenos, dos 9 aos 12 anos, treinam durante 40 minutos.


O Aquático Clube de Silves está aberto à participação de todos os jovens que cumpram os requisitos mínimos, ou seja, que saibam nadar as 4 técnicas e fazer as partidas e viragens. As crianças e jovens que ainda não tenham estes conhecimentos podem treinar na escola de natação municipal, até estarem prontas a integrar o Aquático.
O novo clube de natação do concelho de Silves prepara-se para assinar um protocolo de colaboração com a Câmara Municipal que cede as instalações e equipamentos, estando a desenvolver ainda um trabalho de angariação de patrocinadores e de outros apoios.

O Aquático Clube de Silves pode ser contactado através do email: aquaticosilves@gmail.com ou nas Piscinas Municipais com os professores Ricardo Correia e Ricardo Martins.

No final da conversa, Ricardo Correia deixa ainda um alerta contra a “mentalidade monodesportiva” que persiste nos clubes do Concelho e “apela para que existam outros desportos” além do futebol que tão frequentemente consome os principais recursos dos clubes. Contra esta cultura “monodesportiva” a criação de uma secção de Triatlo (natação, corrida e ciclismo) será o seu próximo objetivo.

PartilharShare on Facebook148Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someonePin on Pinterest0

Veja Também

Silves presente no VI Congresso Internacional Desporto e Mar

O Município de Silves esteve presente no VI Congresso Internacional Desporto e Mar, realizado no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *