Home / Sociedade / Cultura / Exibição do documentário “Paredes Que Falam” em Messines

Exibição do documentário “Paredes Que Falam” em Messines

“Paredes Que Falam” é o título do documentário que revela imagens de todas as etapas do projeto WATT?, projeto de arte rural que decorreu em várias localidades, nomeadamente em S. Bartolomeu de Messines.
O documentário, da autoria de Jorge Murteira, será apresentado na Sociedade de Instrução e Recreio Messinense, no sábado, dia 7 de outubro, às 16h. A entrada é livre.

Recorde-se que o projeto WATT? decorreu em sete localidades do Algarve, durante seis meses, contando com a participação de sete artistas e a organização do LAC – Laboratório de Artes Criativas e o apoio da Fundação EDP.

Numa primeira fase foram realizadas reuniões com as populações que deram ideias e sugestões aos artistas sobre as pinturas que gostariam de ver nas suas terras. Depois, os artistas apresentaram publicamente as suas ideias e seguiu-se a fase das intervenções que contaram igualmente com a participação da população. É todo esse processo que é mostrado no documentário “Paredes Que Falam”.

 

 

«Começam por se apresentar e conversar com todos os que comparecem para colaborar. Discutem-se ideias antes de intervir nos espaços que são de todos.
O documentário percorre o interior Algarvio e acompanha os protagonistas do Watt? – Um projeto artístico para a comunidade, sejam estes artistas, organizadores, habitantes ou turistas.
Por aqui as paredes também falam. Mesmo as que afinal ficam por pintar.
Porque a liberdade é livre.
“Basicamente é isto e tudo o que vocês quiserem.
Vocês: o mundo.”»

Imagem, edição e realização – Jorge Murteira
Duração: 94´53´´

Jorge Murteira nasceu em 1966 em Lisboa. Antropólogo de formação, inicia o seu percurso no audiovisual em 1987, tendo desde então colaborado, produzido e realizado diversos documentários, entre os quais se salientam: “Rebelados no Fim dos Tempos” (Cabo Verde, 2002); “A Casa do Barqueiro” (Portugal, 2007 – Melhor Primeira Obra e Melhor Documentário no Prémio Escolas do Doc Lisboa 2007); “A ideia nunca abala” (Portugal, 2012) e “Fim de um Mundo” (Portugal, 2015 – Melhor curta metragem na Edição do Festival Plateau, em Cabo Verde nesse mesmo ano).

A colaboração em Museus tem também sido uma das suas principais actividades desde 1997, nomeadamente em Museus Nacionais, assim como em vários Museus Municipais, entre outros, em Portugal e no exterior.

Em 2015, conclui a componente audiovisual da exposição “Impressão Digital em Terras de Coura” para o Município de Paredes de Coura, a qual foi distinguida no ano seguinte com o Prémio Inovação e Criatividade (Menção Honrosa) pela Associação Portuguesa de Museologia.

Veja Também

Programa de animação em Armação de Pêra prossegue até ao final do mês

Prossegue até ao final do mês de agosto, o programa de animação organizado pela Junta …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *