Home / Vida / Pessoas / Rodrigo Gomes, jovem artista messinense destaca-se em Media Art

Rodrigo Gomes, jovem artista messinense destaca-se em Media Art

Uma escultura é uma escultura. A essa peça acrescentam-se imagens e/ou sons. Dessa fusão surge arte… outra espécie de arte.
Rodrigo Gomes, jovem artista messinense, é um dos cinco finalistas do prémio Sonae Media Art, “o maior projeto português de incentivo à produção de arte na área dos novos media”.

Rodrigo Gomes

 

 

O percurso de Rodrigo Gomes, agora com 26 anos, iniciou-se na Universidade de Évora, no curso de Artes Visuais. Na altura, já fizera outras formações, nomeadamente em Design de Comunicação Multimédia, na ETIC Algarve, e o seu interesse centrava-se na Escultura, pela qual era “apaixonado”.
No segundo ano da universidade juntou a paixão pela escultura com o interesse pelo multimédia e descobriu o videomapping (uma técnica que consiste na projeção de vídeo em objetos e superfícies). A partir daí começou a explorar estes caminhos.
Foi para a Pedreira dos Sons, um festival de música clássica e de teatro, que criou a sua primeira projeção videográfica, sincronizada com os instrumentos de uma orquestra sinfónica. Seguiram-se outros trabalhos, no âmbito de iniciativas organizadas pela Universidade de Évora, e aí começou também a utilizar a técnica do Vjing, na qual se criam e manipulam imagens em tempo real, através de meios tecnológicos, em combinação com música ou sons.

 

Atualmente, Rodrigo Gomes encontra-se a estudar na Faculdade de Belas Artes, em Lisboa, onde frequente o Mestrado de Multimédia, Artes Sonoras. É também nesta cidade que trabalha no seu atelier, onde vai “explorando e criando” as suas peças.
Agora, diz ter sido apanhado de “supresa” com a sua nomeação para finalista do Prémio Sonae Media Art.
“Fiquei muito surpreendido e ao mesmo tempo muito contente porque em Portugal é muito difícil ter uma carreira artística. Noutros anos não me sentia ainda amadurecido para participar mas este ano quis arriscar. E ser um finalista já por si é muito bom, já consegui algum reconhecimento”, diz Rodrigo que encara esta situação como “uma oportunidade para quem está no início da carreira”.
O próximo passo é trabalhar na peças que irá apresentar a concurso. As mesmas serão expostas no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, no final do ano, e posteriormente os júris decidirão quem será o vencedor. De referir que os cinco finalistas recebem uma bolsa no valor de 5000€, para criação de duas peças inéditas e o vencedor tem direito a um prémio no valor de 40.000€.
Na edição de 2007 foram recebidas 147 candidaturas que foram avaliadas por um júri de seleção, composto por Teresa Cruz (investigadora, especialista em Teoria dos Media e das Artes Contemporâneas e docente universitária), António Sousa Dias (compositor, investigador nos domínios do multimédia e da instalação e docente universitário) e Adelaide Ginga (curadora e historiadora da arte).
O júri privilegiou “os trabalhos em linguagem multimédia, dando particular relevo às dinâmicas interdisciplinares das obras apresentadas a concurso” que “reúnem as condições de qualidade artística e concetual, inovação de projeto e capacidade interdisciplinar no entendimento do conceito media art”, afirma a Sonae.

Electric-Image-Field ( peça de Rodrigo Gomes)

Reflexão
Sobre a peça que irá apresentar a concurso, diz Rodrigo Gomes que a mesma se irá basear na reflexão que tem andado a fazer sobre a temática das “guerras à distância” um conceito que tem vindo a alterar a “maneira de olharmos para a guerra” a qual se torna “numa indústria quase autónoma, com os gastos cada vez mais mínimos e em que portanto a guerra se torna cada vez mais fácil, e como isso é assustador”.
A nível da conceção, a sua reflexão incide sobre o que é a Media Art, e como “é preciso transmitir algo, ter uma mensagem forte e englobar o máximo no possível: transformar a escultura, o som e o vídeo num todo”.
Sempre com a preocupação de que uma peça de arte não se transforme num objeto decorativo, como se vê em espaços como hotéis e restaurantes, onde são cada vez mais usadas estas peças/ instalações.
“Preocupo-me que a peça tenha conteúdo, que comunique diretamente com as pessoas, que nos perturbe e que possamos refletir no que acontece. Nas minhas peças questiono a relação direta entre o vídeo e a escultura, o que é a escultura, se está lá só nesse espaço… ponho as pessoas a pensar se a obra é vídeo, som ou a escultura…”
No seu atelier vai fazendo as suas peças, em “escala pequena e reutilizando muitos materiais, por questões financeiras” e o seu mundo de muitas dimensões vai surgindo e criando formas. “Em pesquisa constante, que cada coisa vai trazendo outra coisa…”, explica.
E a “lutar” e a “trabalhar” para que as oportunidades de desenvolver uma carreira se concretizem.

Sonaura (Rodrigo Gomes)

Veja Também

Mãos que partilham, em São Bartolomeu de Messines

Um grupo de residentes estrangeiros criou, recentemente, em São Bartolomeu de Messines, uma associação de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *