Home / Opinião / Abanar com força a cidade

Abanar com força a cidade

Admito que é um assunto que já maça a maioria das pessoas de Silves, mas é também um tema que pode significar uma mudança profunda na dinâmica da cidade e do concelho. A Fábrica do Inglês, um empreendimento de animação turística e cultural, está encerrada desde 2009, fruto do processo de insolvência da sociedade proprietária.
Neste sitio encontra-se ainda integrado o Museu da Cortiça (adquirido em 2014 por uma entidade ligada ao Grupo Nogueira, entretanto também falida) considerado um dos mais importantes museus industriais a nível nacional.
Passado também algum tempo depois das intenções da Câmara Municipal de Silves (CMS) em adquirir o imóvel à Caixa Geral de Depósitos e do processo em andamento para classificar a fábrica como “imóvel de interesse nacional”, o enredo continua, ao mesmo tempo que os edifícios e o espaço vão ficando degradados (a CMS não foi autorizada a fazer a manutenção do espaço por parte dos proprietários), ironicamente aumentando o esforço financeiro para que tudo fique em condições de funcionamento. Adicionalmente, e no âmbito político, este é um projeto falhado que foi sendo colado pelo atual executivo ao anterior, e portanto, é demais conveniente que assim continue, sendo usado como trunfo eleitoral, tanto a sua decadência, à qual parece estarem completamente alheios, tal como na promessa de poderem resolver o assunto nos próximos 4 anos.

No entanto, relembro que o problema já poderia estar resolvido há algum tempo na mesa de negociações, com a sua respectiva aquisição.

Assim, hoje apenas estaríamos a discutir a composição do projeto da Fábrica do Inglês, mas continuamos na casa de partida. Sei da sua complexidade e das limitações financeiras da CMS, mas também sei que é totalmente possível o investimento (custo representa 5,8% do orçamento global da Câmara e 21% do Plano Plurianual de Investimentos vigente). É exatamente isso de que se trata, um investimento e não uma compra. Ora, avaliando o custo do imóvel, a CMS tem uma posição forte na mesa de negociações, sendo que ainda nos encontramos nesta situação apática por escolha, por mais difícil que a decisão possa ser.

De todas as avaliações ponderadas que a CMS tem de fazer relativamente ao seu orçamento e gastos, este deveria ser um dos mais importantes para dar luz verde, porque se trata de uma oportunidade única para atrair empresas, criar emprego (também qualificado!), mais turismo e animação, e com isto abrir portas à manutenção da juventude no concelho. O espaço tem potencial não apenas para turismo, restauração e animação, mas também para a criação de um futuro parque de ciência e tecnologia para empresas e quiçá uma incubadora centrada na inovação. É também um bom argumento para atrair grandes empresas para o nosso concelho, pois trata-se de um espaço que ao ser pensado para tal, terá tudo o que uma empresa necessita à sua volta.

Candidatos não irão faltar. Ainda há poucos anos havia manifestações de interesse por parte de uma multinacional alemã (ALDI) para investir 3,5 milhões de euros e gerar muitos empregos precisamente na Fábrica do Inglês. Todos estes projetos criam óbvios fluxos financeiros para a CMS através das rendas, tal como permitem uma nova dinâmica no ambiente económico e social de Silves, o que também produz indiretamente novos meios à Câmara para poder pagar a sua dívida. É através de investimentos e retornos que se pagam dividas, não através de sucessivos empréstimos.

Podem-me chamar de antiquado, mas eu ainda acredito em trabalho que gera frutos como forma de angariar votos, não através da antecipação e calculo político.

Esta é uma situação que preocupa muito a população do concelho de Silves e que pelos valores que representa, há muito que já deveria estar resolvida. Ia sem dúvida ser um daqueles fortes abanões.

Veja Também

Um exercício vazio na democracia

Nas eleições europeias do passado dia 26 de Maio que coroaram o Partido Socialista como …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *