Home / Sociedade / História & Património / A propósito da Homenagem aos Corticeiros no dia 1 de Maio

A propósito da Homenagem aos Corticeiros no dia 1 de Maio

1. Da merecida homenagem
Foi com inteira justiça e oportunidade que a Câmara Municipal de Silves resolveu homenagear, no passado dia 1 de Maio, os trabalhadores corticeiros com a inauguração de dois conjuntos escultóricos a eles dedicados. Oportuna, por ser homenagem consensual há muito reclamada, e nunca desta forma concretizada; também, por ser no dia 1 de Maio, o Dia Internacional do Trabalhador. Inteiramente justa, pois se houve classe profissional que elevou o nome da cidade e da região foram os trabalhadores das fábricas e fabricos de cortiça, bem como os empresários ligados a este sector. O desenvolvimento económico, urbanístico, cultural, e até desportivo que Silves conhece a partir da segunda metade do século XIX – e que se estende pela primeira metade do século XX – é, neste período, fundamentalmente baseado no crescimento industrial corticeiro.

A memória viva dos corticeiros de Silves

Em 1890, segundo o Inquérito Industrial então realizado, 40% dos trabalhadores nacionais deste sector laborava em Silves; duas das suas fábricas (Villarinho & Sobrinho e “Fábrica do Inglês”) estavam entre as maiores do país. Nasciam nesta altura as primeiras associações de classe, mutualistas e operárias, com preocupações educativas e culturais que proporcionaram a elevação dos níveis de instrução e alfabetização do operariado, o que alimentou o aparecimento de uma activa imprensa local.
O empresário corticeiro Gregório Mascarenhas construía em 1909, junto à sua fábrica, um teatro e apoiava uma banda musical composta por corticeiros. Também o desporto beneficiou. No primeiro clube de futebol, fundado em 1919 – o Silves Futebol Clube – participavam muitos jovens corticeiros, patrocinados pela burguesia industrial local. Urbanisticamente a cidade também cresceu em todas as direções, sendo hoje facilmente reconhecíveis as zonas de habitação operária (Ruas 1º de Maio, Afonso III, D. Paio Peres Correia) e outras de expansão urbana marcadamente burguesa (Ruas 5 de Outubro, Cândido dos Reis, Miguel Bombarda), onde os lucros da indústria permitiam maiores extravagâncias. Vilarinhos, Mascarenhas, Cantinhos, Violas ou Miras, entre muitos outros, eram nomes conhecidos de empresários fabris. À sombra desta indústria transformadora, uma importante instalação metalomecânica, fundada pelo operário catalão Andrés Lluis Bós, ganhou dimensão internacional no fabrico de máquinas corticeiras.

O operariado animou a cidade até meados dos anos 40 do séc. XX, em número de habitantes e em agitação política. Os trabalhadores corticeiros, primeiro esperançados mas depois desiludidos com a 1ª República, serão durante o Estado Novo ferozmente reprimidos nas suas lutas e reivindicações. Maior exemplo disso foi a greve geral de 18 de Janeiro de 1934 que em Silves teve importante expressão, após a qual alguns corticeiros inauguraram o “campo da morte lenta” do Tarrafal, em Cabo Verde (o primeiro nome do seu livro de registos é o de um corticeiro silvense: Abatino da Luz Rocha).

Outros, como José Rodrigues Vitoriano, passaram largos anos nas prisões da PIDE, o que não impediu, neste caso, que este corticeiro viesse a ser vice-presidente da Assembleia da República após o 25 de Abril. São muitas as estórias e momentos de luta que esta classe profissional protagonizou durante a ditadura, sedenta que estava de melhores condições de trabalho e maiores liberdades civis.
O fim da 2ª Guerra Mundial marca também o início da crise desta indústria na cidade. As fábricas fecham ou deslocalizam-se para a margem sul do Tejo, e atrás delas migram muitas famílias de corticeiros, cujos descendentes ainda hoje por ali encontramos. Nos finais do séc. XX, duas ou três unidades industriais ainda laboravam; hoje, resta a fábrica da Amorim Isolamentos, nos arredores de Silves.
Pela cidade, as tristes ruínas das velhas fábricas e pequenos fabricos familiares lembram-nos ainda esse passado recente que os nossos pais e avós viveram.
Porém, e para memória futura, ficará agora algo mais digno, mais bonito e intencional, que recorda e presta homenagem perene a esta nossa história e identidade silvenses.

2. Do autor e da obra artística
Carlos de Oliveira Correia, residente em Castro Marim, é o autor dos conjuntos escultóricos instalados junto à Cruz de Portugal e na rotunda próxima. Engenheiro de formação, é agora escultor por vocação. Trabalha sobretudo com metal, retratando com particular originalidade figuras animais e humanas, situações e atividades profissionais tradicionais. Mas não só. É dele, por exemplo, a recém-instalada réplica do hidroavião de Gago Coutinho e Sacadura Cabral em S. Brás de Alportel, ou o “Cavaleiro da Ordem” em Castro Marim.
As obras que realizou para Silves dividem-se por dois conjuntos. Num, no relvado mais próximo da Cruz de Portugal, dois muares conduzidos por um homem aproximam-se da cidade. Trazem, da serra algarvia até às fábricas, a matéria-prima que os montados produziam: a cortiça.
Noutro conjunto, agora na rotunda próxima, duas mulheres e um homem concentram-se no seu especializado trabalho. As mulheres, escolhedoras, separam conforme a sua qualidade – por diferentes recipientes – as rolhas entretanto já torneadas pelos rolheiros na oficina. Foram as escolhedoras as primeiras mulheres operárias no ambiente industrial corticeiro silvense, sendo sempre as preferidas nesta tarefa que requeria experiência e olhar atento. Muitas vezes, era no ambiente doméstico que o trabalho se realizava ou concluía.
Ainda na rotunda, uma outra e última figura: um homem, dobrado, procede à raspagem das costas (parte externa) de uma prancha de cortiça para lhe retirar as irregularidades, imperfeições e as partes mais soltas desta “casca” do tronco do sobreiro. De raspadeira em punho, horas a fio ao ar livre, fizesse sol ou chuva, o raspador é um bom exemplo da exigência e dureza desta profissão que é a do corticeiro.

Silves já não é a capital corticeira do país. Portugal, no entanto, é ainda líder mundial na produção e transformação deste produto natural que é a cortiça.
Honremos pois esta memória e este estatuto que são nossos, acarinhando e conservando este novo monumento, entre outros monumentos da cidade.

Silves, Maio de 2017
Manuel Castelo Ramos

Veja Também

Estudo de avaliação de risco de inundações apresenta Silves com várias situações críticas

O relatório “Avaliação preliminar do risco de inundações em Portugal Continental”, documento que se encontra …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *