Home / Sociedade / Cultura / Silves presente nas 1ªs Jornadas da Rede de Museus do Algarve

Silves presente nas 1ªs Jornadas da Rede de Museus do Algarve

A Rede de Museus do Algarve (RMA) assinalou o seu 10º aniversário com a realização das 1ªas Jornadas da Rede de Museus do Algarve com o tema “Museus sem reservas?”
Constituída em 2007, a RMA é uma organização informal que reúne os profissionais da maioria dos museus e outras estruturas e entidades da área do património cultural e natural da região algarvia.
Assim, cerca de 100 profissionais, colaboradores e interessados, estiveram no encontro em Loulé que contou também com a presença de Maria José Gonçalves, a responsável pelo Museu Municipal de Arqueologia de Silves, que integra a RMA, a qual teve a seu cargo a moderação das “Conferências de encerramento”.

“Questionar os limites da atuação dos museus e dos seus profissionais no seio das suas comunidades; Descobrir e debater que tipo de reservas ou fronteiras mentais, científicas, culturais, sociais, económicas ou institucionais ainda determinam a vida das estruturas museológicas e patrimoniais do Algarve; Perceber se, entre paisagens culturais e naturais, patrimónios, artes, saberes, o intenso ritmo e a complexidade da vida quotidiana, ainda haverá lugar para pensar, renovar, abrir ou transformar museus; Propor novos modelos de atuação e respostas dos museus mais adaptadas à realidade e aos desafios contemporâneos das nossas sociedades”
Estas foram algumas das questões que orientaram a conceção do programa e as intervenções dos membros da rede e convidados, segundo a nota de imprensa distribuída pela organização.

«Nas CONFERÊNCIAS DE ABERTURA evocou-se o período de constituição da RMA e o seu percurso ao longo destes 10 anos, lançando-se desafios para o futuro dos museus, entre eles a extensão dos museus ao território (extended museums) e a reinvenção da missão comunitária dos museus.
No primeiro painel EXPERIÊNCIAS INSPIRADORAS, ouvimos representantes de dois grupos de amigos de museus da Rede e o seu contributo para abrir o museu a novos públicos, apresentaram-se experiências de envolvimento comunitário, de abertura das reservas a investigadores e à comunidade, e de como articular memória e transformação em processos de atualização museológica.
À tarde no 2º painel ABRINDO CAMINHOS DE FUTURO, falou-se de autonomia na gestão dos museus, de exomuseus sem reservas em reservas naturais, da gestão de monumentos musealizados versus museus, e lançaram-se reflexões sobre o futuro dos museus na região.
Perto do final a Rede de Museus do Baixo Alentejo, organização vizinha, partilhou o seu percurso, atividades recentes e desafios para o futuro.
A encerrar, em OUTROS TEMPOS, NOVOS MUSEUS apresentaram-se museus recentes que têm surgido na Europa acompanhando os desafios contemporâneos da nossa sociedade, seus problemas, evolução e contradições. Exemplos inspiradores quando perspetivamos o papel dos museus na atualidade.»
Além da reflexão conjunta sobre a realidade e futuro dos museus, os participantes reconheceram “os impactos da RMA – uma estrutura horizontal, informal e ágil – nas equipas dos museus (sua formação, partilha de informação e recursos), na transformação da prática museológica com o desenvolvimento de projetos comuns entre os seus membros, projeção da visibilidade dos museus e abertura a diversos públicos, e colocação de uma estratégia museológica na agenda política para o desenvolvimento regional. Oportunidade também para perspetivar caminhos e desafios para o futuro que poderão passar pela articulação com outras redes museológicas regionais, bem como com outras redes da região na área da cultura”.

Veja Também

Antigo Celeiro no Algoz transformado no Centro Cultural d’Athaide Oliveira

A Associação Patrimonial do Algoz – APA inaugurou, no dia 5 de outubro, o novo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *