Home / Sociedade / Cultura / A mercearia mais algarvia de Lisboa

A mercearia mais algarvia de Lisboa

É no número 316 da Rua da Junqueira, perto de Belém, que se encontra a mercearia mais algarvia de Lisboa. Luísa Silva, de Olhão, mudou-se para Lisboa para abrir um espaço que tem o Algarve lá dentro, desde o Sotavento ao Barlavento. E não podiam faltar os produtos regionais de Silves.
Marafada, a mercearia algarvia, abriu as portas em Julho de 2016. A ideia surgiu da “falta que sentia, em Lisboa, dos produtos da terra” e “dos folares de Olhão principalmente”, revela Luísa Silva. O local divide-se entre mercearia e espaço de refeições. São servidos pratos tipicamente algarvios com produtos regionais, como a muxama de atum ou os figos, que são os reis numa salada. A ementa é composta por variadas saladas como a Desalvorada, a Magana ou a Manienta. Tudo com palavras tipicamente algarvias e com ingredientes como a amêndoa, o figo ou a estopeta de atum.

Na montra estão expostos os tradicionais doces finos. Vêm do Benaciate, é Matilde Santos Neto Alves que os comercializa para a Marafada. Os Dom Rodrigo também não faltam, assim como um bolo de laranja com cobertura de chocolate. Já o bolo Morgado Fingido é uma especialidade de Luísa Silva, feito de amêndoa e gila. Tudo, mais uma vez, com produtos da terra. A laranja do Algarve é comprada no Mercado Abastecedor de Lisboa, para não faltar na loja de Luísa.

Os bolos do Benaciate (freguesia de S. B. Messines)

Antes de começar “esta aventura”, Luísa Silva percorreu várias empresas regionais no Algarve de forma a conseguir produtos para a mercearia. Os produtos de Olhão são uma constante, como os patés da Manná, empresa conserveira localizada no concelho. Mas existe um pouco de todo o Algarve na Marafada: os vinhos de Lagoa, o azeite de Santa Catarina de Tavira, o sal de Castro Marim, o mel de Aljezur, a água de Monchique.
As compotas de Moncarapacho são um sucesso de vendas, assim como o sal, as conservas ou os bolos feitos com produtos regionais. Os curiosos acabaram por se apaixonar pelo pão, que apesar de não ser algarvio, é uma réplica bastante exacta. “Já existem pessoas que cá vêm buscar o pão todos os dias. Em Lisboa é muito difícil encontrar pão como nós o conhecemos.”, diz Luísa Silva.
A decoração do espaço também está de acordo com o conceito, com cores leves que fazem lembrar o mar. Até se tem direito a um dicionário de algarvio para quem quiser fazer uma consulta rápida. As expressões algarvias estão espalhadas em pequenos quadros pela parede. E as antiguidades, como o candeeiro a petróleo ou um fogão a petróleo, são uma constante.
Os vinhos são um dos pontos fortes do espaço. Vinhos de Lagoa, de Portimão, de Tavira. E não podiam faltar os vinhos de Silves, encontra-se o vinho Euphoria da Quinta Convento do Paraíso, localizada no concelho. Vende-se o tinto, o rosé e o branco.

Uma outra variante deste espaço é a Petisqueira do Sul, que alia o melhor da cozinha espanhola com a cozinha típica algarvia. São servidos petiscos ou tapas, resultante de uma fusão entre a comida espanhola e a algarvia.
A Marafada é uma ode à cultura e à herança algarvia, mesmo para quem, como Luísa Silva, trocou o sul pela capital. Um pouco do Algarve em Lisboa para levar o que é regional mais longe.

Veja Também

Festas de Verão em São Marcos da Serra

Nos dias 14 e 15 de agosto realizam-se, em São Marcos da Serra, as Festas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *