Home / Sociedade / Política / PS Silves ao rubro: Convocada Assembleia Geral de Militantes Extraordinária

PS Silves ao rubro: Convocada Assembleia Geral de Militantes Extraordinária

Na sequência do abaixo-assinado que contesta a nomeação de um candidato à Câmara Municipal de Silves por parte da Comissão Política Concelhia do PS Silves e exige eleições primárias diretas, foi convocada uma Assembleia Geral de Militantes Extraordinária.
A Assembleia é convocada pelos presidentes da Mesa da Assembleia Geral da Secção de Silves e de S. B. Messines, Luís Guerreiro e Pedro Cabrita, respetivamente, e está marcada para o dia 9 de janeiro, às 21h30, na sede do PS em Silves.
A Ordem de Trabalhos tem apenas um ponto: “Apresentação da Candidata eleita em Reunião da Comissão Política Concelhia à Presidência da Câmara de Silves nas Eleições Autárquicas 2017- Informações e esclarecimentos”.ps-interrogacao
Na reunião estará presente o presidente da Federação do PS Algarve, António Eusébio, que defendeu já a posição assumida pela Comissão Política Concelhia, na nomeação da candidata Fátima Matos.

Abaixo assinado põe PS Silves ao rubro

O PS Silves está ao rubro, depois da divulgação de abaixo-assinado promovido por um grupo de militantes” que contesta a nomeação de Fátima Ramos Matos como candidata do partido à presidência da Câmara Municipal de Silves.
A Comissão Política Concelhia do PS, responsável pela nomeação, responde que “Quanto mais a luta aquece mais força tem o PS” e os militantes respondem que “A Imposição está em Silves e vai gerar confusão”.

A contestação ao nome escolhido para as eleições autárquicas à Câmara de Silves tornou-se pública quando foi divulgado o texto que acompanha um abaixo-assinado que terá sido assinado por 36 militantes da Secção do PS Silves.

Nesse documento, a que o Terra Ruiva teve acesso, os signatários lembram que no dia 28 de novembro “houve uma reunião da Comissão Política do PS para deliberar sobre as candidaturas apresentadas, tendo os candidatos obtido a seguinte votação: Fátima Matos, 7 votos; Manuel Pina da Silva, 6 votos, e Luís Guerreiro, 3 votos ( o quórum era composto por 17 elementos, tendo havido um voto em branco)”.
Sem fazer qualquer juízo de valor, positivo ou negativo, sobre as candidaturas apresentadas, consideram, no entanto que, “no caso em apreço, manifestamente, os militantes não podem deixar de ser ouvidos em primárias diretas, para que o apuramento do candidato decorra de uma vontade alargada e não de uma votação limitada a alguns militantes que podem não ser representativos da vontade maioritária”.
“O Partido Socialista há 23 anos que não ganha as eleições autárquicas para a Câmara Municipal de Silves” lembram os signatários que entendem que só pela via de eleições primárias diretas para os três candidatos “se pode apurar o melhor candidato e ao mesmo tempo galvanizar os militantes para uma candidatura vencedora”.
Este abaixo-assinado foi enviado ao presidente da Federação do PS Algarve que, em resposta, e depois de várias considerações com base nos regulamentos do partido, entendeu que a haver eleições primárias diretas, estas teriam de ter sido convocadas pela Comissão Política Concelhia de Silves “antes da deliberação” que designou Fátima Matos como candidata oficial, pelo que esta “está designada em definitivo” .

Militantes contestam posição da Federação

Esta posição da Federação do Algarve do Partido Socialista foi, no entanto, contestada pelos promotores do referido abaixo-assinado que afirmam que ainda “em 7 de novembro”, “em sede de Assembleia Geral de Militantes” , foi “proposto por vários militantes a possibilidade de primárias” o que foi rejeitado “desde logo pela Presidente da Concelhia de Silves alegando ser anti-estatutário”, uma posição que terá sido reforçada na “reunião de comissão política do dia 28/11/2016” quando “militantes presentes nessa sessão, logo de inicio pediram Primárias Diretas, tendo porém, o coordenador autárquico do PS para a região do Algarve”, “rejeitado liminarmente essa proposta”.

Na resposta à Federação, os mesmos militantes requerem “ a nulidade do processo de decisão da Comissão Política Concelhia do dia 28/11/2016, porquanto se encontra ferido de erros de forma/nulidades” e insistem na realização de eleições primárias diretas por ser “o melhor caminho”.

“Consideramos que o Partido Socialista em Silves, nas próximas eleições autárquicas deverá ter um candidato escolhido por todos os seus militantes, em primárias diretas, o qual, importa frisar, não sabemos quem será, mas que desta vez o PS, mais cimentado e mais unido, poderá ganhar as eleições, pela simples razão que a vontade da maioria será respeitada e mais fortemente apoiada, contra a vontade de uma minoria”, afirmam.

Reação da Presidente da Comissão Política do PS Silves

Entretanto, na sequência da notícia publicada no Terra Ruiva on-line, (no dia 5 de janeiro) onde dava conta da existência deste abaixo-assinado e das suas principais motivações, o nosso jornal contactou a presidente da Comissão Política Concelhia do PS Silves, Ana Sofia Belchior, para obter um comentário.

Recebemos ( no dia 6 de janeiro), o comunicado que se transcreve na íntegra:

“ Esclarecimento sobre as últimas notícias publicadas na comunicação social e redes sociais sobre a escolha do candidato do PS à presidência da Câmara Municipal de Silves às autárquicas 2017:
Em defesa da honra do PS Silves, e enquanto presidente da Comissão Política Concelhia do PS Silves, sou nesta qualidade, a informar que o que tem saído nos últimos dias na comunicação social e redes sociais sobre a escolha do candidato à Presidência da Câmara Municipal de Silves às eleições autárquicas 2017, não corresponde de todo à verdade.
Reservo para mais tarde o direito à resposta, uma vez que tal situação está a ser objecto de análise nos órgãos competentes do Partido Socialista.
No entanto, adianto-vos que:
“QUANTO MAIS A LUTA AQUECE MAIS FORÇA TEM O PS!”
A presidente da Comissão Política Concelhia do PS Silves,
Ana Sofia Belchior”

Veja Também

Município de Silves rejeita transferência de competências do Governo

A Câmara Municipal e a Assembleia Municipal recusaram aceitar a transferência de competências que o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *