Portugal em Directo

No passado dia 18 Novembro fui convidado, pela R.D.P. / Antena 1, a intervir na importância da Estrada Nacional 2 que se inicia em Chaves e finda em Faro. São 737 km , desde que foi construída, em 1884. Sendo a primeira estrada do reino, assim considerada.
O Algarve teve mais estrada líquida, que de terrena e pedra. Mas a EN-2 chegou em finais do século XIX. Foi um romper a serra, o obstáculo de séculos, em que até no século XV, D. João II não se atreveu a descer o oceano até Tavira; e depois no final do século XVI, D, Sebastião o imitou, descendo de Lisboa, por terra. Era o perigo dos corsários. Assim foi o Algarve, até chegar a estrada real de Chaves a Faro.
Que importância dessa estrada para o país, sobretudo Alentejo e Algarve, as zonas mais afastadas ao Sul ?
Para a nossa região foi um desafogo, em que a partir de S. Brás de Alportel, as viagens se facilitaram. Foi escoamento dos produtos da serra: cortiça, alfarroba, amêndoa, figo, madeiras, mel, carnes várias, enchidos, etc, tiveram a E.N.2, como um meio de desenvolvimento para a serra e litoral na economia do Algarve, desde os tempos.
Fomos, in loco, onde as estradas EN-2 e 125 se cruzam as histórias das estradas para a nossa conversa transmitida pelo país.

O Algarve sempre foi, através dos tempos, um pequeno reino abandonado. Com o século XVI veio o desenvolvimento algarvio.

O período do renascimento, com a elevação de Tavira, Faro e Lagos a cidades, na política de desenvolvimento em que a Europa avançava, nesse contributo que o Algarve das descobertas africana trouxe para o reino dos reis D. Manuel I, D. João III e D. Sebastião, nessa aventura que nos levou à trágica situação da ocupação.
Encalhámos até ao último quarto do século XVII, com a ocupação filipina. Em guerras de recuperação. Com os sessenta anos dos espanhóis terminados, o Algarve começa a recuperar-se, assim como todo o reino. Mas para o Algarve as maiores dificuldades.
Regressemos ao meio século XVIII, na reconstrução do terramoto, seguindo-se às crises do início do século XIX com as ocupações francesa e inglesa a caminho de uma guerra civil, em que o Algarve foi muito sofrido e, enfim, a nova política do liberalismo.
Vamos viajar, a meio século XIX, pelo primeiro vapor, de Vila Real Santo António a Lisboa, a 2 de Junho de 1853, em que o viajante deixou de fazer testamento, sem a dúvida de um regresso.
Vamos avançar um pouco para o fim do século XIX, com a vinda de dois cientistas ao Algarve. Os geógrafos alemães: Johann Centurius, Heinrich Link, e Hermann Maltzan, num estudo de Eberhard Wihelm. Percorreram esses quatro zoólogos o Algarve, em 1879.

Um breve apontamento, de Portimão a Messines: “De visita a Portimão os Maltzan fizeram uma viagem de barco, pelo rio Arade, até Silves, a 8 de Abril. Visitaram uma fábrica de cortiça, o Castelo. Pela estrada nova, foram de coche a São Bartolomeu de Messines, assistindo a um funeral, em que a caixa do defunto repousava no meio da rua, enquanto os acompanhantes foram matar a sede a uma taberna junto à igreja. Seguindo, depois até Alte, a pé, numa caminhada de duas horas. O Algarve estava no último reduto do caminho de ferro. As estradas, na narrativa dos alemães, era uma raridade”.

No passado dia 18 de Novembro , eu e o jornalista da Antena I, estivemos nessa memória. Mário Antunes põe a questão: Como era Faro no seu tempo de cá chegar, no início da década de cinquenta, do século passado? E eu conto: Onde circula a avenida Calouste Gulbenkian acabava a cidade para a nascente. A chamada Estrada de S. Brás entrava pela, hoje, dita rua do Alportel, Era a mais longa via que cortava a cidade ao centro: descia ao cruzamento da Estrada 125, atravessava a Praça de S. Pedro, cruzava-se com a rua Batista Lopes, continuava na Ferreira Neto até à Praça Ferreira de Almeida, para finalizar na antiga rua Salazar e Praça D. Francisco Gomes de Avelar.
Foi uma Estrada, feita rua, por onde a cortiça da serra chegava às grandes fábricas do Caiado, do Cospes, do Fritz, do Morgado, do Jacinto e de outros industrias, onde centenas de operários nos dois graus desenvolviam fortunas. Pela estrada de São Brás circulavam as camionetas da EVA, serra fora, EN.2, arrebanhando os emigrantes para a França e Alemanha. Escapando às perseguições da PIDE. Foi um tempo de tragédia, em que a condição social dos Algarvios fica para contar…

Veja Também

Câmara de Silves investe nos recreios das escolas do 1º ciclo

As escolas do 1º ciclo de Tunes, Amorosa, Armação de Pêra e São Marcos da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *