Home / Opinião / Sobre ser voluntário

Sobre ser voluntário

A palavra “voluntário” aparece no dicionário da Língua Portuguesa como “aquele que se oferece para”.
Fazer voluntariado é expormos-nos a um crescimento pessoal para o qual não estávamos preparados, é oferecer o que temos para dar aos que não têm, e isto de livre vontade. Quem pratica voluntariado fá-lo porque há uma voz dentro de si que não consegue estar calada perante as injustiças do mundo. O sentimento de preenchimento e de missão cumprida que se tem, depois de ter começado, é inexplicável, é sentir o coração quente. Só esta razão deveria ser mais que suficiente para que todos se empenhassem em contribuir com o pouco que têm para os que pouco têm.

Ser voluntário é querer deixar uma marca para o futuro, traçar um caminho de boas acções para quem se seguir.

E se os budistas dizem que recebemos aquilo que pomos no mundo, então porque é que não nos esforçamos mais, enquanto sociedade, para o bem comum?
Falo disto porque sempre me envolvi em projectos de voluntariado e é gritante a falta de pessoas jovens que estes projectos tinham. No meu caso, sempre foi bastante simples, já que todos estamos fartos de saber que o mundo está pejado de injustiças e de desigualdade, e porque todos temos alguma coisa para dar, alguma singularidade que faz de nós um indivíduo irrepetível, porque não usar essas especificidades para mudar o nosso pequeno mundo. Mas há sempre demasiadas desculpas, pouca genica.
Há aqueles que se esquivam ao dizer que é um processo burocrático envolverem-se em projectos de voluntariado, mas veja-se a Refood no Algoz, sempre a precisar de voluntários, basta aparecer.

A seguir vem o argumento de estarem a trabalhar de graça, mas se voltarmos ao dicionário a palavra “trabalho” é uma obra, e o Hemingway dizia que enquanto a obra de uma pessoa permanecer, essa pessoa não pode morrer. E que mais não é o voluntariado senão uma obra, uma obra que deixamos aos outros. Já para não falar que se ganha muito mais do que aquilo que se despende, porque acabamos por conhecer a Maria, a Ana e o Filipe que por terem uma história tão diferente da tua, depois de os ouvires será impossível regressar ao quotidiano com os mesmos olhos. Aumentar a humanidade com outros seres humanos, com pessoas que normalmente não te cruzarias e afinal descobrem-se umas quantas afinidades, porque afinal não somos ninguém de mais.

Um grande Viva! para todos aqueles que gastam umas horas das suas semanas a fazerem outros sorrir, e assim ganham a vida.

Partilhe nas redes socias:
Share on Facebook
Facebook
0Pin on Pinterest
Pinterest
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Veja Também

Síndrome do riso

Gosto da estética cinematográfica dos subúrbios mal iluminados, com prédios degradados e degradantes, com amontoados …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *