Home / Vida / Saúde & Bem Estar / Nova técnica para reduzir a pressão intraocular no glaucoma

Nova técnica para reduzir a pressão intraocular no glaucoma

 

O Hospital Lusíadas Lisboa é o primeiro hospital privado, em Portugal, a disponibilizar a ciclodestruição por ultrassons, uma técnica não invasiva, que em apenas 3 minutos permite reduzir em 30 por cento a pressão intraocular no glaucoma, uma doença silenciosa que afeta mais de 100 mil portugueses.

“Este procedimento minimamente invasivo, não envolve incisões ou suturas, é feito através da aplicação de uma sonda sobre o olho, reduzindo a pressão intraocular por destruição por ultrassons do corpo ciliar (onde o humor aquoso é produzido)”, esclarece Luis Abegão Pinto, oftalmologista do Hospital Lusíadas Lisboa, certificado para este procedimento.

E acrescenta: “as vantagens da ciclodestruição por ultrassons, em vez do recurso ao laser, são a sua tolerabilidade para o doente, ser menos doloroso e ser um procedimento completamente automatizado, em que os tempos de coagulação são predefinidos. Comparativamente com as cirurgias “clássicas” como a trabeculectomia, este procedimento apresenta um melhor perfil de segurança, o que se repercute num pós-operatório menos penoso para o doente.

De acordo com José Pedro Silva, Coordenador da Unidade de Oftalmologia do Hospital Lusíadas Lisboa “O glaucoma é a segunda causa de cegueira irreversível, no mundo. A possibilidade de reduzir a pressão intraocular em 30 por cento, em doentes específicos, com o recurso a esta nova técnica, representa um enorme avanço nesta área, com grandes vantagens para o doente”.

O aumento da pressão intraocular, ou seja, da pressão dentro dos olhos, é a principal causa de glaucoma. A pressão intraocular normal varia entre 8 e 21 mmHg. Quando esta se torna maior que 21 mmHg, começa a existir risco de lesão do nervo ótico.

PartilharShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someonePin on Pinterest0

Veja Também

Algarve é a região do país onde as crianças alcançaram maior redução de peso

Em Portugal, 28,5% das crianças entre os 2 e os 10 anos têm excesso de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *