Home / Opinião / A democracia americana

A democracia americana

Donald Trump ganhou no Nevada, mais uma vitória para o candidato mais improvável da campanha americana. A política americana é complexa, uma miscelânea de cruzamentos para se chegar à escolha final do presidente, é um processo demorado e intricado. As máquinas partidárias trabalham os seus candidatos até ao pormenor, tudo está pensado e analisado.
Tudo menos Trump. Trump é imprevisível, incrivelmente populista e, surpreendentemente, agregador da América branca e conservadora. O próprio Partido Republicano não estava à espera da tempestade que Donald Trump trouxe consigo.
Os Estados Unidos são, em si, complexos, um país que foi construído por emigrantes, e que hoje volta as costas aos seus emigrantes. Que ironia! Trump faz uma campanha populista, não é mais que ele próprio, retrógrado e conservador, defensor de ideais medievais que tanto agradam ao interior americano. Tem claramente definido o seu público-alvo, não é político mas sabe como apelar aos desejos das pessoas. Tudo abona a seu favor nos Estados Unidos, a população branca e cristã regozija com a personagem que Trump é, acabrunhados que estão com o medo do domínio latino (que já é das maiores comunidades de origem estrangeira nos Estados Unidos).
Donald Trump personifica tudo aquilo a que a política chegou, o populismo e a palhaçada, um candidato que nem é levado a sério, mas que, no entanto, tem possibilidades de vencer uma das mais importantes eleições presidenciais do mundo. Sendo o papel dos Estados Unidos da América conhecido e notório na esfera geopolítica, é difícil imaginar a catástrofe que seria existir um presidente americano como Trump. A sua visão do mundo é feita de estereótipos e preconceitos perante a diversidade e a diferença.
Para a Europa e para os ideias que por cá se defendem, parece quase impensável negociar com uma personagem que faz lembrar o Tiririca brasileiro.
Trump pode ser um palhacinho na arena política, mas o seu perigo é real. Com a sua inconveniência chega ao coração dos estados mais conservadores, prova disso são as suas mais recentes vitórias, que há um mês atrás pareciam quase ficção. Opiniões controversas como o encerramento da fronteira com o México, ou mesmo a construção de um muro nessa mesma fronteira, bem como a própria expulsão de emigrantes, fazem de Trump um grande perigo.
A história está repleta de indivíduos que apelavam ao orgulho nacional através de medidas polémicas, e bem se sabe o quão mal correu. Um povo que eleja Trump como seu representante é um povo que acredita na morte da política, tal como a conhecemos.

A Res Publica romana há muito que se perdeu, tão evoluídos que somos tecnologicamente, tão pobres que nos tornámos de espírito.

Veja Também

Voltaram as Chamas, restam as chamas da política

Bem me parecia que esta civilização tem sido a fingir, rasurando por todo o lado …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *