Home / Sociedade / Cultura / Percurso Pedestre Literário, em Messines

Percurso Pedestre Literário, em Messines

A Casa-Museu João de Deus dinamiza, no dia 5 de março, um percurso literário, intitulado “Há Poesia no Penedo”.
A atividade inicia-se às 15h, sendo o ponto de encontro a Escola EB1 de S. B. Messines.
Prevê-se que o percurso dure aproximadamente duas horas, tendo um grau de dificuldade baixo e sendo, por isso, acessível a públicos de todas as idades que desejarem participar.
Esta atividade, desenvolvida em parceria com o Grupo de Teatro Penedo Grande e a Junta de Freguesia de S. B.Messines procurará aliar o desporto à cultura, promovendo o contacto com a natureza e a poesia.

percurso pedestre
Os interessados deverão inscrever-se na Casa-Museu João de Deus através do telefone 282 440 892 ou do email casamuseu.joaodeus@cm-silves.pt. A inscrição é gratuita.

PartilharShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someonePin on Pinterest0

Veja Também

Dead Combo em Silves

Os Dead Combo estarão presentes em Silves, no Teatro Mascarenhas Gregório, no dia 18 de …

2 Comentários

  1. O nosso Penedo Grande é muito mais do que um simples cume, onde o arenito impera, dominador e telúrico, nas suas naves de pedra, afrontando a ondulação dos montes fronteiros, perdendo-se no horizonte.

    Onde, mesmo nas tardes cálidas de Verão, corre, doce, uma brisa fresca e suave, que nos afaga o espírito.

    Onde, nos tempos difíceis e persecutórios da ditadura salazarenta do anterior regime torcionário do Estado Novo, os amantes da Liberdade comemoravam o Dia Primeiro de Maio, em que a democracia escorria, abundante, em alegre convívio, animada pela grafonola do Fernando Machado – novidade nesse tempo -, a que se tinha, de quando em quando, de dar à manivela.

    Pouco nos interessa que o acidente orográfico, que, hoje, é o Penedo Grande, tenha sido já o fundo do mar, há muitos milhões de anos, onde a sua rocha se sedimentou, ao longo dos brutais fenómenos tectónicos que o nosso planeta sofreu.

  2. (continuação do comentário de 12/03/16)
    O que para nós, messinenses, verdadeiramente conta é que o Penedo Grande é, além de tudo isto, a memória colectiva, o ícone mítico e ponto de encontro, no tempo, de muitas gerações ancestrais dos poetas da nossa terra, que nele buscaram a evasão, o recolhimento e a inspiração, de que restam, esculpidos na rocha ruiva, os testemunhos que deixaram para a posteridade.

    O nosso João de Deus foi, certamente, um dos seus visitantes e, do seio da envolvência amiga daquelas rochas e do panorama absorvente e deslumbrante, que se estende a perder de vista, terá surgido a criação de muitas das pérolas que integram a sua poesia simples e ingénua, que, como tudo o que é simples, é a mais bela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *