Home / Algarve / Petição entregue na AR contra exploração de petróleo no Algarve

Petição entregue na AR contra exploração de petróleo no Algarve

plataforma algarve petroleo

A Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP) entregou na Assembleia da República uma petição com mais de 7000 assinaturas “exigindo a discussão urgente da exploração de hidrocarbonetos no Algarve” e requerendo a sua intervenção “para que não permita a prospeção e exploração de petróleo e gás nesta região”.

A referida petição foi entregue no dia 17 de novembro e nela a PALP, apela à discussão de uma questão que considera “fraturante e até agora envolvida em secretismo”, e que “afetará o bem-estar da população, os ecossistemas e inúmeros sectores económicos da região”.

No seu documento, afirma a PAPL: «Segundo informações recentemente publicadas pela Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis (ENMC), grande parte do território marinho e terrestre da região do Algarve foi já concessionado para a exploração de Petróleo e Gás Natural.

Em meados de setembro deste ano, a ENMC afirmou, à comunicação social, estar a preparar a abertura de dois concursos internacionais para concessões de pesquisa e prospeção de petróleo no Porto e no Algarve. Em declarações aos jornalistas, o presidente da ENMC, Paulo Carmona, explicou que “os concursos estão a ser preparados e deverão ser lançados no final do ano ou no início de 2016, devendo ter uma fase de pré-qualificação, sendo depois a decisão tomada com base na melhor oferta.”

A verdade é que o Governo português já concedeu direitos de prospeção, pesquisa, desenvolvimento e produção de hidrocarbonetos (petróleo e gás natural) em terra, incluindo: os territórios da Reserva Natural do Sapal de Castro Marim e de Vila Real de Sto. António; do Parque Natural da Ria Formosa e do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, e ainda dos Sítios de Importância Comunitária Barrocal: Monchique, Cerro da Cabeça e Ria de Alvor. O mesmo no oceano, ao largo de quase toda a costa algarvia. (cfm. mapa de concessões em anexo e contratos disponíveis em www.palp.pt).»

Para a Plataforma, esta “decisão político-económica é de enorme gravidade” pois que os cidadãos do Algarve “ não foram nem informados, nem consultados neste processo que afetará a vida de tudo e de todos”.

Questiona-se também os termos em que foram realizados os contratos entre o Estado e as empresas de exploração petrolífera “os únicos favorecidos” neste processo.

A PALP “vê com muita apreensão o futuro da região, tendo em conta os possíveis impactos ambientais que uma medida destas pode ter; a incompatibilidade entre uma região de turismo que se quer de excelência e a exploração de hidrocarbonetos; as perfurações de alto risco numa zona de alta perigosidade sísmica; o impacto na economia da região com esta mudança clara de paradigma de desenvolvimento; as eventuais perdas de recursos que um derrame acidental de hidrocarbonetos traria para uma atividade igualmente importante no Algarve como a pesca e, finalmente, o impacto na qualidade de vida das pessoas que aqui residem.

Por estes motivos, a PALP exige não só o respeito pela qualidade ambiental mas também a soberania dos interesses públicos em detrimento dos interesses privados.

Clique aqui para fazer download do anexo em PDF.

PartilharShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someonePin on Pinterest0

Veja Também

Propostas do programa «365 Algarve» para abril

  Do cinema, às artes visuais, passando pela dança, música, teatro, e pelas atividades de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *