Home / Sociedade / Ambiente & Ciência / Mais incêndios, menos área ardida

Mais incêndios, menos área ardida

foto balanço bombeiros site

Este ano aumentou ligeiramente o número de incêndios, mas a área ardida diminuiu, o que se atribui à resposta rápida e eficiente dos meios extraordinários que permaneceram todo o verão em S. Marcos da Serra e Silves.

Ao contrário do que é costume ardeu mais no barrocal e litoral: Armação de Pêra, Alcantarilha e Tunes.

Antes da próxima época, o Serviço de Proteção Civil e Florestas da Câmara Municipal de Silves quer concluir o levantamento de todo o edificado e população residente na área florestal, o que irá contribuir para a melhoria das operações.

Seguindo a tendência nacional e regional, o número de ocorrências aumentou (10,45%), ainda que ligeiramente, no nosso concelho”, mas “ a resposta dos meios formatados permitiu reduzir a área ardida substancialmente, em cerca de 68,28%, debelando a generalidade das ocorrências na sua fase inicial, com uma resposta musculada em zonas de elevado risco”.

A generalidade das ocorrências registou-se no barrocal e litoral do concelho de Silves, junto a áreas urbanas e de edificação dispersa, concentrando-se na várzea de Armação de Pêra, na Estação de Alcantarilha e na área envolvente a Tunes.

Já nos espaços florestais e no mato das freguesias de Silves, S. Bartolomeu de Messines e S. Marcos da Serra “que configuram maior risco” as “ocorrências foram residuais”.

Ainda assim foi na freguesia de S. Marcos da Serra, em Vale da Porta, que se registou o incêndio de maior dimensão, a 5 e 6 de agosto, que consumiu uma área ardida de aproximadamente 55 hectares, o que representa 80% da área ardida no concelho em 2015.

As medidas preventivas e de antecipação terão sido, no entender do responsável da Proteção Civil Municipal, Nelson Correia, o principal fator que permitiu ao concelho apresentar estes bons resultados. Como o Terra Ruiva noticiou anteriormente, os meios humanos e operacionais foram reforçados no concelho.

Em S. Marcos da Serra “procedeu-se ao pré-posicionamento de meios de combate a incêndios florestais, no antigo quartel dos bombeiros”, através do estabelecimento de uma equipa de combate a incêndios florestais (ECIN), formatada a partir dos dois corpos de bombeiros do concelho, e uma outra, “de caráter excecional, com o acolhimento de grupos de combate a incêndios florestais externos (Brigada, GRIF ou GRUATA), enviados para a região em períodos críticos. O primeiro dispositivo foi constituído por cinco operacionais e um veículo pesado de combate a incêndios florestais, que funcionou durante 24 horas, de forma contínua, de julho ao final de setembro”. Os grupos de reforço integraram “até 32 operacionais e 10 viaturas”.

Paralelamente, as escolas EB 2.3 de S. Bartolomeu de Messines e de Silves foram também constituídas como bases operacionais adicionais para estacionamento temporário de meios e recursos “encontrando-se os procedimentos de ativação e resposta e respetivas equipas já estabelecidos e constituídas”.

Já o patrulhamento das zonas serranas das freguesias de Silves, S. Bartolomeu de Messines e S. Marcos da Serra foi efetuado no âmbito do Plano Faunos e foi posto em prática pelo Regimento de Infantaria nº 1. Foi estabelecida uma base temporária no interior da serra de Silves, na Quinta Pedagógica, e os resultados foram “muito positivos” não só no que respeita ao “patrulhamento de proximidade” mas também porque contribuiu para “aumentar o sentimento de segurança junto das populações mais isoladas e envelhecidas”.

No decorrer destes meses foram igualmente “desenvolvidas várias ações de sensibilização e formações conjuntas” entre “agentes de proteção civil e entidades cooperantes públicas e privadas”, das quais se destaca a “formação com máquinas de rastos”.

Perspetivas para 2016

Tendo em atenção a “severidade do clima expectável e o período de retorno das grandes ocorrências, que ciclicamente se abatem sobre o nosso concelho e região” para 2016, o Serviço de Proteção Civil da Câmara Municipal pretende manter as medidas já tomadas este ano e se possível incrementar outros “domínios de atuação” através do desenvolvimento de novas ações com o Exército Português. Entre essas ações destaca-se a “construção de infraestruturas de defesa da floresta contra incêndios, onde se inclui a implementação de faixas de gestão de combustível em áreas estratégicas”.

Antes do verão, os técnicos da autarquia estão também a proceder ao “levantamento de todo o edificado e população residentes existente na área florestal”, o que será muito útil durante um incêndio de grandes dimensões, pois na posse destes elementos os bombeiros poderão antecipar “medidas de prevenção” e organizar melhor a disposição de meios de combate e eventual evacuação em cenário real.

 

Veja Também

Manuel Neto dos Santos apresenta novo livro em Alcantarilha

Manuel Neto dos Santos, poeta, natural de Alcantarilha, apresenta no dia 20 de janeiro, na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *