Home / Sociedade / História & Património / Memórias de um encontro de alunos em S. B. de Messines em 1929

Memórias de um encontro de alunos em S. B. de Messines em 1929

A 6 de julho de 1929 reuniram-se no edifício escolar de S. B. de Messines (hoje o Pólo de Educação ao Longo da Vida), em sessão solene, os alunos que fizeram exame de instrução primária em 1902.

A iniciativa terá sido promovida pelo Dr. Joaquim Rita da Palma, já então um conceituadíssimo advogado em Faro, e visava a confraternização entre antigos colegas. Para o efeito compareceram os condiscípulos José de Castro, José Cândido Guerreiro, Silvério Palminha, Diogo Mascarenhas e Pedro Rita. Para abrilhantar a sessão era acompanhado ao piano o Sr. Serafim (ceguinho), enquanto na assistência se encontravam muitas senhoras e cavalheiros da aldeia.

Após uma breve homenagem ao professor António Conceição Teixeira (à época já falecido), na qual usaram da palavra o Dr. Rita da Palma, José C. Guerreiro e Reis Varela, foi prestado um pequeno tributo à memória de D. Maria da Graça, também ela antiga colega falecida, em 1918, aquando do flagelo da Pneumónica. Assim, coube à sua filha, a D. Aura Calado Gameiro, por ser a mais desinibida das três irmãs, então com 14 anos, declamar um lindo poema, de autoria do Dr. Rita da Palma, intitulado “Mãe”:

Mãe

As ilusões assemelham-se a um colar
De pérolas alvíssimas de espuma
Se o fio que as segura se quebrar
Caem no chão dispersas uma a uma.

Caem no chão dispersas uma a uma
Se o fio que as segura se quebrar
Entre tantas sempre fica alguma
Sempre alguma há de ficar!

Das minhas ilusões, dos meus afetos,
Muitas caíram já no pó também
Uma não caiu nem cairá jamais
É o teu amor santíssimo de mãe

Aquele que eu mais prezo entre os demais!

Volvidas quase nove décadas desse momento a D. Aura, que completou no passado dia 2 de setembro 101 anos de idade, partilhou-o connosco, de memória e sem interrupções. A D. Aura Calado será por estes dias uma das últimas sobreviventes que assistiram àquela “reunião de curso”, numa época em que a educação não era generalizada a todas as crianças, grassando um analfabetismo avassalador, que teve repercussões no desenvolvimento de S. B. de Messines, do Algarve e do país ao longo de várias décadas.

PartilharShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someonePin on Pinterest0

Veja Também

“Algarve Intemporal” em S. Marcos da Serra

O ciclo de música, literatura, gastronomia e património “Algarve Intemporal” continua no dia 22 de …

Um Comentário

  1. Guilherme Guerreiro Martins

    Sendo oriundo dessa Vila, gostaria de acompanhar as notícias.Obgº.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *